Acesso ao principal conteúdo
MUNDIAL DE FUTEBOL 2018

Apoteose em Paris para acolher campeões do mundo

Selecção francesa de futebol acolhida em apoteose no Palácio do Eliseu pelo Presidente Emmanuel Macron a 16 de Julho de 2018.
Selecção francesa de futebol acolhida em apoteose no Palácio do Eliseu pelo Presidente Emmanuel Macron a 16 de Julho de 2018. REUTERS/Philippe Wojazer

Foi em festa e euforia que, dois dias depois da festa nacional francesa, o 14 de julho, os campeões do mundo de futebol desfilaram e foram recebidos por milhares de pessoas que se concentraram naquela que é conhecida como “a mais bela avenida do mundo”, antes de uma recepção também ela apoteótica no Palácio do Eliseu.

Publicidade

Uma autêntica maré humana pintada com as cores da bandeira francesa: azul, branco e vermelho, cores que foram também deixadas no céu por seis aviões da patrulha de frança.

À passagem do autocarro com os jogadores e o técnico da Selecção francesa, num estreito corredor rodeado por milhares de pessoas, ouviram-se muitas palmas e “on est champions” (somos campeões) !

Uma festa nacional para festejar o título de campeão mundial pela segunda vez na história da selecção francesa.

Os milhares de adeptos vestiram-se a rigor: bandeiras em forma de capa sobre as costas e bandeiras agitadas no ar, perucas azuis, brancas e vermelhas, chapéus com a forma de galos, camisolas com o nome de diferentes jogadores, com destaque para o nome de Mbappé estampado numa grande maioria.

À parte visual, juntou-se a parte sonora preenchida com os sons de vuvuzelas, megafones e muitos cânticos, entre os quais “Allez les bleus” (Força azuis), “On est champions” e o hino de França.

Depois da recepção em apoteose nos Campos Elísios, os “bleus” (azuis) seguiram para uma recepção no palácio do Eliseu onde foram recebidos pelo presidente francês, Emmanuel Macron, que os vai decorar, dentro de alguns meses, com a Legião de Honra, a distinção máxima em França, tal como fez o antigo presidente Jacques Chirac, quando a França venceu o seu primeiro Mundial, em 1998.

De notar ainda que Paris vestiu-se mesmo a rigor para este dia e até seis estações de metro foram rebaptizadas em homenagem aos campeoes do mundo.

Por exemplo, a estação Champs Elysées-Clémenceau passou a ser designada de Deschamps Elysées-Clémenceau, um jogo de palavras dedicado ao selecionador francês, Didier Deschamps que foi campeão mundial em 1998, como jogador, e repetiu o feito agora, como treinador.

A estação de Charles de Gaulle-Étoile passou a On a 2 Étoiles (Nós temos duas estrelas), em homenagem ao segundo Campeonato do Mundo conquistado pela França.

Também a estação Victor Hugo foi renomeada de Victor Hugo Lloris, em honra do guarda-redes e capitão da selecção francesa Hugo Lloris.

O ambiente foi de festa e os adeptos disseram à RFI que não temiam os distúrbios, depois de os festejos deste domingo, também na Avenida dos Campos Elísios, terem degenerado ao final da noite.

A França sagrou-se campeã do Mundo de futebol pela segunda vez, este domingo, ao bater a Croácia por 4-2, em Moscovo.

Confira aqui a reportagem de Carina Branco nos Campos Elíseos.

Luís Lopes, português a trabalhar em França, deslocou-se de propósito à Avenida dos Campos Elíseos e descreveu à RFI este momento de recepção dos campeões do mundo.

Também um casal brasileiro constava da multidão que veio acolher os campeões do mundo: eles relataram-nos o porquê da sua presença no local.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Faça o download da aplicação

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.