Acesso ao principal conteúdo
Revista de Imprensa

França: Benalla perante comissão de inquérito do Senado

Áudio 03:55
Primeiras páginas dos jornais franceses de 19 de setembro de 2018
Primeiras páginas dos jornais franceses de 19 de setembro de 2018 RFI

As primeiras páginas dos jornais franceses estão dominadas por questões de sociedade, como hospitais, pensionistas, igreja ou caso Benalla. Macron, quer reconciliar-se com os pensionistas, titula, LE MONDE. Os reformados, que em 2017, votaram em Macron, estão hoje desiludidos.Este descontentamento preocupa o Palácio do Eliseu. Assim o Presidente afastou qualquer tipo de reforma dos direitos de sucessão. "Temos de deixar em paz os reformados", declarou Macron aos seus conselheiros, argumentando que eles já pagaram o suficiente.O aumento da taxa de contribuição social veio juntar-se ao congelamento das pensões para 2019 e 2020, acrescentou, por seu lado, o primeiro-ministro, Edouard Philippe.A escolha de privilegiar os que trabalham continua a ser uma prioridade mas o executivo tentou corrigir o tiro antes das eleições europeias, nota, LE MONDE.O mesmo vespertino dá igualmente relevo a Benalla: “nem polícia nem guarda costas do presidente”. Referência a Alexandre Benalla, ex-encarregado de missão do Eliseu, ouvido hoje pela comissão de inquérito do Senado.Bem preparado, o jovem rapaz, começou por pedir desculpas aos senadores alvos dos seus ataques verbais há pouco tempo.Benalla no Senado, Eliseu apanhado, titula, LIBÉRATION. Processado por violência, o antigo encarregado de missão de Macron era ouvido pela comissão de inquérito do Senado.Uma audição sob juramento que faz tremer a presidência. Isto acontece 2 meses depois de revelações de um vídeo mostrando Benalla espancando 2 manifestantes durante festejos do 1° de maio.Por seu lado, LE FIGARO, titula, Eliseu quer banalizar a demissão anunciada de Colomb. O Presidente aproveitou o anúncio do seu ministro do interior, para dizer à sua equipa que ninguém poderá acumular candidato a uma câmara municipal e ministro do governo.Só que o anúncio de Gérard Collomb da sua saída do governo após as europeias de maio de 2019 veio juntar-se a uma confusão existente no seio do executivo  LA CROIX, titula, Clericalismo, palavra aos católicos. O jornal publica várias cartas de leitores respondendo ao apelo do Papa pedindo a todos para medirem a gravidade dos abusos sexuais pela igreja católica.Um leitor escreve: o clericalismo é hoje atacado de todos os lados e com razão. Mas como fazer? Para já há que mudar as mentalidades de padres e leigos. Mas há que mudar também instituições.A maioria das nossas paróquias tem à frente um vigário-geral todo poderoso apesar de ter à sua volta colaboradores e conselheiros. Os fiéis que giram em torno desse mundo nunca são ouvidos”, escreve o leitor do jornal LA CROIX.L’HUMANITÉ, prefere titular sobre o plano de saúde apresentado pelo presidente Macron, não traz com ele orçamento consequente. É um plano de austeridade para o serviço público.Mudando de assunto, sobre a actualidade internacional, mísseis: Pyongyang disposto a aceitar inspectores internacionais, destaca, LE MONDE, que se refere à  cimeira entre os presidente das duas Coreias que decorre até amanhã na capital norte-coreana.O presidente sul-coreano, Moon, não chegará de mãos vazias à assembleia geral da ONU no dia 24 do corrente em Nova Iorque. Moon, dirá ao seu homólogo americano, Donald Trump, que obteve medidas concretas sobre a desnuclearização da Coreia do norte, anunciadas por Kim Jong-un na cimeira conjunta de Pyongyang, acrescenta LE MONDE.É o mesmo vespertino, que sobre a África, se refere à Etiópia e o Abiymania, à prova da violência.Depois da morte na segunda-feira em Adis Abeba de 5 pessoas pela polícia etíope, habitantes da capital consideram que se o primeiro-ministro, Abiy Ahmed, é incapaz de manter a ordem pública, perderá o apoio da sua base, escandalizada pela violência e a prisão de 700 pessoas. 

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.