Acesso ao principal conteúdo
França

Rodrigo Leão “intimista e festivo” em Paris

Rodrigo Leão vai tocar, esta terça-feira, em Paris.
Rodrigo Leão vai tocar, esta terça-feira, em Paris. Augusto Brázio http://www.rodrigoleao.pt

Paris acolheu, esta terça-feira, o músico português Rodrigo Leão que celebra 25 anos de carreira a solo. O também fundador dos Madredeus e Sétima Legião levou  ao palco de La Seine Musicale temas que marcaram o seu percurso e que retomou nos discos "Os Portugueses" e "O Aniversário", editados este ano.

Publicidade

Os 25 anos de carreira em nome próprio (a somar aos anteriores 11 anos de Sétima Legião e Madredeus) foram também comemorados em Paris, esta terça-feira, na sala de espectáculos La Seine Musicale.

Em concerto, estiveram temas dos discos "Os Portugueses" e "Aniversário", editados este ano e que contêm algumas das canções mais conhecidas de Rodrigo Leão. Em palco, estiveram também, Ana Vieira, a voz de “Vida Tão Estranha”, que tem colaborado com o compositor desde “Cinema” (2004).

Antes do concerto eis o resumo do mesmo pela voz de Rodrigo Leão.

Vai cantar-se, sobretudo, temas em português e depois há uma parte das minhas músicas mais ligadas ao cinema, em que vamos tocar um tema que se chama ‘Alfama’ que está presente no trabalho que fizemos para o filme de Wim Wenders sobre Lisboa há muitos anos; temas do filme ‘The Butler’ do Lee Daniels ou ‘A Gaiola Dourada’ do Ruben Alves, portanto esse lado mais instrumental que está presente nessas músicas. É um concerto que tem um lado mais intimista e outro mais festivo”, revelou Rodrigo Leão à RFI, numa entrevista que pode ouvir na íntegra, esta quarta-feira, no magazine Artes.

Depois de Sétima Legião e Madredeus, Rodrigo Leão começou a carreira a solo com o disco “Ave Mundi Luminar”, em 1993, e desde então compôs temas que foram cantados, por exemplo, por Beth Gibbons (Portishead), Neil Hannon (The Divine Comedy), Stuart A. Staples (Tindersticks), Scott Mathew, Joan as a Policewoman, Rosa Passos, Adriana Calcanhoto e Thiago Petit. Com ele também colaboraram nomes como Ryuichi Sakamoto, Ólafur Arnalds e Ludovico Einadi.

“Pasión” (2001), “Cinema” (2004), “A Mãe” (2009) e “A Montanha Mágica” (2011) foram alguns dos discos distinguidos pela crítica. A revista francesa “Les Inrockuptibles” considerou “A Mãe” como um dos 20 melhores discos de 2010 e a americana “Billboard Magazine” apontou “Cinema" como o segundo melhor disco de 2004.

No cinema, Rodrigo Leão compôs para os filmes “O Mordomo” de Lee Daniels, “No Intenso Agora” de João Moreira Salles, “A Gaiola Dourada” de Ruben Alves, "Paris Je T’aime", na curta de Isabel Coixet e “Lisbon Story” de Wim Wenders, entre outros.

 

25 anos de carreira reunidos em “Os Portugueses” e “O Aniversário”

Para celebrar os 25 anos de carreira a solo, Rodrigo Leão editou, em Março, o CD duplo “O Aniversário”, e três meses mais tarde editou “Os Portugueses”. Dois discos que transformou em espectáculos que tem levado a palco este ano, a par de um terceiro, com uma formação mais pequena, “Ensaio”, no qual tem mostrado novas composições e que vai dar origem a novo álbum em 2019.

No trabalho “Os Portugueses”, há dois discos. Um deles, com as vozes de Ana Vieira, Selma Uamusse e Camané, reúne reinterpretações de temas em português do seu trabalho a solo e músicas dos Madredeus e Sétima Legião. Por exemplo, dos Madredeus, há “O Pastor” e “Guitarra”, interpretados por Selma Uamusse, enquanto dos Sétima Legião há “Mil Maneiras de Amar”, cantado por Ana Vieira. Dos clássicos de Rodrigo Leão - a solo - há “Vida Tão Estranha”, com a voz de Ana Vieira, e “Rosa”, um tema originalmente gravado pela brasileira Rosa Passos e agora interpretado por Camané. Há, ainda, uma canção inédita “”Restos da Vida”, também cantada por Camané.

No segundo disco de “Os Portugueses”, Rodrigo Leão juntou novas gravações dos temas de “Portugal, Um Retrato Social”, um trabalho instrumental de 2007 que surgiu da produção da banda sonora para a série televisiva documental homónima.

Também no duplo CD "O Aniversário", há um disco com canções e outro com instrumentais. O alinhamento do primeiro CD, com 15 temas, inclui canções como "Empty Room", com Scott Matthew, gravada em 2016, "Rosa", com Rosa Passos, de 2004, "A Casa", com Adriana Calcanhotto, de 2000, "Passión", com Lula Pena, também de 2000, entre outros. O segundo disco, também com 15 músicas, abre com "Cinema", de 2004, e inclui o inédito "Acaso".

selfpromo.newsletter.titleselfpromo.newsletter.text

selfpromo.app.text

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.