Acesso ao principal conteúdo
Convidado

Coletes amarelos na ruas: "isto é a França"

Áudio 07:25
Os coletes amarelos denunciam a diminuição do poder de compra em França.
Os coletes amarelos denunciam a diminuição do poder de compra em França. ©REUTERS/Benoit Tessier

72% dos franceses continuam a apoiar o movimento "coletes amarelos"e 85% condena os actos violentos, em Paris este sábado.O executivo francês enfrenta uma corrida em contra-relógio para apaziguar a crise social e política que enfrenta.O primeiro-ministro francês recebeu, esta manhã, os líderes dos partidos e representantes dos coletes amarelos. O governo percebeu a importância de encontrar respostas com outros partidos aponta o vereador da Câmara de Paris, Hermano Sanches Ruivo.A líder da União Nacional, Marine Le Pen, e o líder da França Insubmissa, Jean-Luc Mélenchon pedem eleições antecipadas. Marine Le Pen pediu a dissolução da Assembleia. Para Hermano Sanches Ruivo há que perceber que existe uma divisão no movimento dos coletes amarelos.A autarca na região parisiense e dirigente do Bloco Esquerda, Cristina Semblano, descreve este movimento que diz ser iminentemente político popular.Na semana passada, o movimento "coletes amarelos" entregou ao governo um documento com 42 reivindicações. O ministro da economia, Bruno Le Maire, afirmou que uma das medidas que pode vir a ser anunciada passa pela redução dos impostos. O governo tem de agir a curto prazo aponta o economista Pascal de Lima.No sábado, 136 mil pessoas juntaram-se à mobilização dos coletes amarelos, registaram-se 263 feridos e 412 pessoas foram interpeladas pelas forças de segurança, segundo um balanço da polícia.Quarta-feira, 5 de Dezembro, a Assembleia Nacional vai debater este impasse político e social, tema levado na quinta-feira ao Senado.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.