Acesso ao principal conteúdo
França

Violência começou logo de manhã nas manifestações em França

Violência nos Campos Elísios em Paris no 18° sábado de manifestações dos coletes amarelos
Violência nos Campos Elísios em Paris no 18° sábado de manifestações dos coletes amarelos REUTERS/Philippe Wojazer

Continua hoje o movimento dos coletes amarelos que começou há 4 meses em França com novas manifestações. O dia de hoje é simbólico porque além disso as manifestações deste sábado acontecem um dia depois da conclusão do debate nacional sobre esta crise social e política. E desta vez houve uma táctica diferente, porque a violência começou logo de manhã, quando tem acontecido ao fim do dia.

Publicidade

4 meses depois do início do movimento  dos coletes amarelos o dia de hoje começou na violência nas manifestações um pouco por toda a França, sobretudo em Paris, onde houve confrontos entre os mais radicais e forças da ordem.

Os radicais infiltrados no movimento dos coletes amarelos, arrancaram pedras da calçada da Avenida dos Campos Elísios em Paris que lançaram contra as forças da ordem e segurança, que replicaram com jactos e canhões de água, gás lacrimogéneo e bastonadas.

A violência foi tanta esta manhã, que os radicais de extrema esquerda e extrema direita infiltrados no movimento partiram quase completamente o restaurante mais luxuoso dos Campos Elísios, Le Fouquet's, restaurante, onde Sarkozy e seus amigos festejaram a sua eleição de Presidente, em 2007.

Mas outros restaurantes e estabelecimentos dos campos Elísios foram também pilhados, danificados e foram incendiados um posto de venda de jornais e um banco. Os prejuízos são enormes !

Porquê esta violência extrema logo no começo do dia, uma violência que parece ter apanhada de supresa a polícia habituada a combatê-la lá para o fim do dia?

Porque os coletes amarelos e seus elementos mais radicais ficararam desiludidos com as conclusões do debate nacional de 2 meses que devia dar uma solução às suas reivindicações nomeadamente aumentos de salários e pensões e baixa do IVA e redução nos impostos de vários produtos e uma reforma institucional do sistema.

Os revoltosos, gritavam, "Macron viemos-te buscar", alusão a uma frase lançada pelo próprio presidente a deputados da oposição quando despoletou o escândalo do seu segurança pessoal Benalla. 

Já houve várias pessoas feridas e presas pela polícia, mas não se sabe como é que as coisas vão evoluir até ao fim do dia. O certo que a manifestação dos coletes amarelos deste sábado foi das mais violentas desde o começo há 4 meses. 

Ontem, com o fim do debate nacional, os coletes amarelos não gostaram de ouvir o primeiro-ministro, Édouard Philippe, a dizer na Rádio, que os cofres do estado não estão em condições de satisfazer todas as reivindicações e o que podia fazer era indexar as pensões de reforma ao aumento da inflação.

Os coletes amarelos quiseram assim fazer uma demonstração de força e violência neste 18° sábado de manifestações em toda a França, para mostrar ao poder de Macron, que estão decididos a não parar.

Foram mais de 45 mil manifestantes em Paris e mais de 355.000, em toda a França, números que são sempre uma média aproximativa pois os organizadores exageram os números e a polícia tende para a sua redução!

Enfim, hoje juntaram-se igualmente aos coletes amarelos milhares de jovens reclamando ao governo um programa de combate ao aquecimento global.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Faça o download da aplicação

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.