Acesso ao principal conteúdo
França

Novas regras discutidas em Paris para Redes Sociais e Internet ?

Paris tenta documento de conduta nas redes sociais e Internet num encontro mundial no Eliseu
Paris tenta documento de conduta nas redes sociais e Internet num encontro mundial no Eliseu REUTERS/Dado Ruvic

O Presidente francês, Macron e a Primeira-ministra neo-zelandesa, Jacinta Ardern, receberam hoje no Eliseu, representantes de 26 países e patrões das plataformas digitais para adoptarem um documento, chamado Apelo de Christchurch, contra violência nas redes sociais. Paralelamente, WhatsApp, era infiltrado por um software espião que controla tudo sobre o utente do telemóvel, contra a sua vontade. 

Publicidade

26 países e gigantes da Internet reunidos em Paris, a convite do Presidente Macron, assinaram um documento intitulado "Apelo de Christchurch" contra conteúdos online "terroristas e extremistas violentos". 

O apelo teve igualmente iniciativa da primeira-ministra da Nova Zelândia, Jacinta Ardern, 2 meses após, a difusão em directo no Facebook do ataque contra duas mesquitas de Christchurch.

Assim, estas grandes plataformas digitais, como Facebook e suas filiais WhatsApp e Instagram, com Facebook a prometer adoptar regras mais duras na sua vertente Facebook Live e ainda Google e sua filial YouTube, comprometem-se a prevenir descargas de videos violentos e retirá-los imediatamente, precisa o Apelo, que não é obrigatório, não tem força de lei. 

Big Brother do WhatsApp no seu telemóvel

Isto acontece, numa altura em que foi encontrada uma falha no aplicativo WhatsApp, em que o telemóvel do utente é infiltrado por um software espião sem o consentimento do proprietário do aparelho telefónico. 

ONG's que defendem as liberdades individuais, querem apresentar queixa-crime contra o editor do software, grupo NSO, fabricado para colectar a geolocalização do alvo, ler as suas mensagens e mesmo accionar o microfone e a câmera do telemóvel sem que o usuário saiba de nada ! Big Brother em acção !

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.