Acesso ao principal conteúdo
França

Polícia à caça do suspeito do acto terrorista de Lyon em França

Polícia científica recolhendo traços da bomba que explodiu ontem em Lyon, França
Polícia científica recolhendo traços da bomba que explodiu ontem em Lyon, França REUTERS/Emmanuel Foudrot

A polícia francesa lançou uma verdadeira caça ao homem após o acto terrorista de ontem ao fim do dia em Lyon, no sudeste da França e fez 13 feridos ligeiros. Hoje, todos os meios foram activados para encontrar o rasto do principal suspeito do ataque com pacote armadilhado, onde foram encontrados traços de DNA ainda não identificados. 

Publicidade

As autoridades francesas disponibilizaram todos os meios necessários para descobrir a pista do principal suspeito do ataque com pacote armadilhado de ontem em Lyon, no sudeste da França, ataque que fez 13 feridos ligeiros.

"Todos os meios foram disponibilizados para podermos chegar rapidamente à identificação e detenção do autor deste acto", anunciou hoje o Procurador da República de Paris, Rémy Heitz, que tem igualmente jurisdiçao nacional em questões de terrorismo.

Segundo fontes próximas do inquérito, liderado pelo alto magistrado da procuradoria da República, traços de DNA, ainda não identificados foram isolados no pacote armadilhado. Nada indica que se trate de DNA do suspeito do acto, filmado na altura em que colocava o saco com o pacote em frente a uma pastelaria.

Sobre o material explosivo, as mesmas fontes, suspeitam tratar-se duma pequena porção de TATP, triperóxido de triacetonao, um explosivo artesanal muito instável. Um explosivo que foi utilizado nos atentados jiadistas cometidos em Paris a 13 de novembro de 2015 e em Bruxelas em março de 2016.

Mas, sobre ainda o inquérito em curso, "várias dezenas de testemunhos estão a ser tratados", sublinhou, o Procurador da República de Paris, Rémy Heitz.

"Neste preciso momento em que vos falo, este acto ainda não foi reivindicado. Um primeiro apelo foi lançado ontem à noite a pessoas que tenham testemunhado o acto e dezenas de testemunhos estão a ser analizadas.

"Vamos divulgar rapidamente mais fotografias sobre o perfil do indivíduo. Disponibilizámos todos os meios necessários para a identificação e a detenção do autor do acto e tendo em conta a importância deste caso hão-de compreender que não posso estar a dar informações sobre as investigações em curso, mas serão regularmente informados sobre os avanços do inquérito, pelos serviços da minha procuradoria." 

Estão mobilizados 90 especialistas de investigação e 30 técnicos da Polícia científica, assistidos por toda uma equipa envolvendo peritos de várias áreas da polícia judiciária e criminal. 

De notar que no local da explosão foram encontrados parafusos de  2 cm, bolinhas de metal, 7 pilhas do tipo LR6, un circuito impresso, um dispositivo de remote controlo à distância e pedaços de plástico branco que podem ser resíduos do engenho explosivo do atentado de Lyon, sudeste da França.

 

 

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.