Acesso ao principal conteúdo
França

Deputados franceses ratificam acordo de comércio livre UE/Canadá

Deputados da Assembleia nacional francesa ratificaram acordo de comércio livre União europeia/Canadá
Deputados da Assembleia nacional francesa ratificaram acordo de comércio livre União europeia/Canadá STEPHANE DE SAKUTIN / AFP

Os deputados da Assembleia nacional francesa reunidos hoje ratificaram o acordo de comércio livre entre a União europeia e o Canadá. Um acordo muito controverso criticado no seio do próprio partido do presidente Macron e seus aliados centristas, mas também por criadores de gado bovino e ONG's.

Publicidade

Os deputados franceses reunidos hoje em sessão na Assembleia nacional ratificaram o acordo de comércio livre União europeia/Canadá, tido como positivo para a economia francesa segundo uns e arriscado para outros.

O acordo foi  aprovado por 266 votos a favor, 213 contra e 74 abstenções. No seio do próprio partido presidencial, LREM, houve 52 abstenções e 9 votaram contra.

Com efeito o acordo que já entrou parcial e provisoriamente em vigor há 2 anos suscita reticências nas fileiras do próprio partido presidencial no poder LREM e seus aliados centristas do MoDem.

Esta manhã, o Primeiro ministro, Edouard Philippe, reuniu-se com os deputados da sua maioria antes da votação tendo alertado para as "consequências nulas" e que o melhor seria o respeito da linha partidária, declarou um participante no encontro.

O PM francês não conseguiu impor a linha partidária tendo em conta as 52 abstenções e 9 votos contra.

Ontem, o ex-ministro da Transição ecológica, Nicolas Hulot apelou numa carta aberta aos deputados a terem "coragem de dizer não" ao acordo de comércio livre UE/Canadá, que pode abrir as portas a substâncias perigosas que reduzam as normas sanitárias.

O Presidente Emmanuel Macron, disse por seu lado, que uma "ratificação iria "num bom sentido", reafirmando a necessidade de garantir uma boa "implementação" do tratado.

Negociado durante 7 anos, o acordo económico e comercial global, CETA, foi aprovado pelo Parlamento europeu em fevereiro de  2017. Deve ser ratificado pelas 38 Assembleias nacionais e regionais europeias, mas até agora, apenas 13 estados o fizeram nomeadamente Portugal e Espanha. 

O Acordo de comércio livre suprime nomeadamente os direitos alfandegários de 98% dos produtos circulando nas duas zonas canadiana e europeia.

Mas é criticado duramente por agricultores, criadores de gado bovino e ONG nomeadamente ligadas ao meio ambiente e ecologia.

Os criadores franceses de gado bovino mostram-se preocupados com a quantidade de carne que passará a entrar na União europeia vinda do Canadá no quadro do acordo de comércio livre CETA.

Sobre a controvérsia sobretudo na área da pecuária, em entrevista à RFI, Carlos Vinhas Pereira, professor universitário em Paris explica quais as duas razões que levaram a tanta oposição em França a este documento. 

selfpromo.newsletter.titleselfpromo.newsletter.text

selfpromo.app.text

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.