Acesso ao principal conteúdo
Argentina

Deputados votam lei de emergência alimentar na Argentina

Não à fome, slogan de cartaz na altura em que deputados votam lei contra crise alimentar em Argentina
Não à fome, slogan de cartaz na altura em que deputados votam lei contra crise alimentar em Argentina REUTERS/Agustin Marcarian

A 7 semanas da eleição presidencial, na Argentina, os deputados votam ontem um texto de lei que prevê duplicar as verbas alocadas a programas de assistência alimentar, num valor de 135 milhões de dólares, para as famílias mais carenciadas. Trata-se de um projecto de lei de emergência alimentar ainda com a memória marcada pela pior crise económica que o país atravessou em 2002.

Publicidade

Os deputados argentinos aprovaram ontem por unanimidade um projecto de lei de "emergência alimentar" que ainda deve ser submetido aos senadores no quadro de programas sociais a favor de famílias pobres. 

A 7 semanas da eleição presidencial, o texto que prevê duplicar as verbas alocadas a programas de assistência alimentar num valor de  135 milhões de dólares, foi votado por  222 deputados a favor e uma abstenção.

"Nós estamos perante um problema da fome e má nutrição, para além duma forte queda das receitas", declarou o deputado, Daniel Arroyo, co-autor do projecto de lei e foi apoiado pelo candidato de centro-esquerda, Alberto Fernandez, favorito das eleições presidenciais de 27 outubro.

Argentina viveu uma emergência alimentar idêntica em 2002

Desde quarta-feira, milhares de membros de organismos sociais instalaram-se em tendas nas proximidades do Congresso, para reclamar que o governo apoie os programas de assistência social. 

A "emergência alimentar" existe na Argentina desde 2002, quando o país atravessava a pior crise económica da sua história recente.

O projecto de lei aprovado ontem prevê que ficará em vigor até dezembro de 2022.

Em 2018, a Argentina teve de aceitar um programa de ajustamento orçamental em troca de um empréstimo de 57 mil milhões de dólares do Fundo Monetário Internacional.

De notar que com a Venezuela e Guatemala, a Argetinha é um dos três países latino-americanos onde a fome foi drástica em 2018, segundo números da FAO, a agência da ONU para a agricultura e alimentação.

selfpromo.newsletter.titleselfpromo.newsletter.text

selfpromo.app.text

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.