Acesso ao principal conteúdo
França

Autoridades francesas acalmam população após incêndio de Rouen

Agricultor mostra mão acizentada com o fumo do incêndio da fábrica de produtos químicos em Rouen, norte de França
Agricultor mostra mão acizentada com o fumo do incêndio da fábrica de produtos químicos em Rouen, norte de França AFP Photos/Lou Benoist

Com a população de Rouen, Normandia, no norte de França, a reclamar a verdade sobre o incêndio numa fábrica local de produtos químicos há 5 dias, as autoridades locais, vieram hoje declarar que os níveis de amianto no ar são extremamente baixos e que tudo está a ser feito para acabar com o mau cheiro que incomoda a respiração das pessoas.

Publicidade

Cinco dias depois do incêndio da fábrica Lubrizol em Rouen, as autoridades declararam que nenhuma fibra de amianto foi detectada no ar ou em terra e que 160 botijas de gás de mercaptão e hidrogénio de sulfúrio está em vias de ser destruídos. 

A camada subsistente de hidrocarbonetos, óleo, espuma e água e que estaria na origem do mau cheiro que incomoda os habitantes de Rouen, está a ser drenada.

"A drenagem vai continuar nos próximos dias e o mau cheiro desaparecerá", declarou, ao fim desta tarde, o governador da Normandia, Pierre-André Durand.

"Não há risco comprovado" relacionado com o amianto no ar nas primeiras análises feitas, depois do incêndio na fábrica de Lubrizol, declarou, por seu lado, Patrick Berg, Director regional do meio Ambiente, Ordenamento e Habitação, da Normandia.

Não há risco de amianto e população nas ruas de Rouen 

"No tocante a amianto no ar, estamos no barulho de fundo das fibras de amianto no ar, níveis extremamente fracos", sublinhou Patrick Berg.

Com a população a reclamar ajuda e transparência na informação, já ontem, o primeiro-ministro, Édouard Philippe, deslocou-se a Rouen, para garantir, que os odores não eram "nocivos", segundo as análises feitas.

Por seu lado, o eurodeputado, Yannick Jadot, reclamou uma transparência absoluta sobre o que foi queimado no incêndio e a publicação da lista dos produtos armazenados na fábrica.

Uma lista que segundo o primeiro ministro, seria divulgada hoje, no momento em que a população local se manifestava reclamando a verdade sobre o acidente.

selfpromo.newsletter.titleselfpromo.newsletter.text

selfpromo.app.text

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.