Acesso ao principal conteúdo
Revista de Imprensa

Parlamento europeu chumba candidata de Macron a comissária europeia

Áudio 04:30
Primeiras páginas dos jornais franceses 11 de outubro de 2019
Primeiras páginas dos jornais franceses 11 de outubro de 2019 RFI

Dois assuntos dominam as primeiras páginas dos jornais franceses: eurodeputados chumbam escolha do Presidente Macron para comissária em Bruxelas e curdos na Síria atacados pela Turquia.Goulard: a humilhação de Macron pelos eurodeputados. O Parlamento europeu rejeitou por uma larga maioria a nomeação da francesa Sylvie Goulard como comissária europeia para o mercado interno. Os eurodeputados sancionaram a candidata por causa de um escândalo de empregos fictícios em França e duma missão remunerada efectuada em Bruxelas.Esta sanção é também um coxo dado ao presidente Macron, censurado por uma forma de arrogância ao pôr todo o seu peso na balança para que a sua escolha fosse aceite. A França está agora a estudar novos nomes para submeter à presidente da comissão europeia, Ursula von der Leyen, acrescenta, LE MONDE.Goulard fora, Macron furioso, replica, LIBÉRATION. Eliseu humilhado, pois, a siua candidata ao posto de comissária foi chumbada pelo parlamento europeu. O Presidente Macron fulmina o que chama "ressentimento e mesquinhez" dos eurodeputados.Depois da pior derrota política da sua curta carreira, Macron, acusa a direita europeia de sabotagem, em vez de reconhecer o seu erro na escolha da pessoa. Celebrada depressa demais pelos macronistas, a restauração da influência francesa sofreu um grande trambolhão. Esta humilhação é tanto mais cruel para Macron porque o presidente francês fez da União europeia a sua prioridade absoluta, acrescenta, LIBÉRATION. Mudando de assunto, LE FIGARO, titula, os curdos abandonados face à ofensiva turca. Apesar da reprovação internacional e ameaças de sanções americanas, Turquia continua a avançar em direcção ao norte da Síria, sem se preocupar com cerca de 60 mil deslocados.No seu editorial, um mundo sem polícia, LE FIGARO, nota que na ONU, os europeus vociferam, uns contra os outros, sabendo de antemão que terão de ter em conta o turco Erdogan, que doravante, dispõe duma nova arma de dissuasão de massa, cerca de 2 mil jiadistas europeus, dos quais mais de 400 franceses, para além dos 3,5 milhões de refugiados que acolhe, no seu país, e que pode, a qualquer momento, expulsar para a Europa ocidental.E na Casa Branca, o polícia do mundo deixou o lugar vago para o polícia da estância turística de Saint Tropez, ironiza, LE FIGARO. A estratégia sangrenta de Erdogan, titula, L'HUMANITÉ. O Presidente turco continua com a sua ambição de renascimento de um Império otomano do século XXI, custe o que custar.O seu objectivo é fazer da Turquia uma potência regional incontornável para qualquer solução de um problema. Para já, a guerrra suja de Erdogan, provocou a debandada de 60 mil pessoas, em apenas dois dias. As forças curdas e seus aliados árabes lutavam ontem desesperadamente para tentar conter o assalto da véspera do exército turco, no nordeste da Síria, acrescenta, L'HUMANITÉ. Por seu lado, LA CROIX, titula, Polónia em campanha no meio rural. O Partido no poder, Direito e Justiça, quer tirar proveito das fracturas sociais e territoriais para ganhar as eleições legislativas de domingo.O partido no poder, quer conquistar o eleitorado rural prometendo linhas de autocarros para os centros urbanos, esmagando os partidos concorrentes com outras medidas sociais e prometendo um Estado providência à polaca, nota, LA CROIX.Enfim, sobre o continente africano, LIBÉRATION, dá destaque à Tunísia: Karoui avança como um toro na final antes da eleição. Isto vai acabar em festa, disse ontem Nabil Karoui, na sua primeira declaração pública após ter sido libertado da prisão, onde passou 47 dias no quadro de um escândalo ao fisco.Karoui, está em pé de guerra, nesta final das presidenciais, quando todas as sondagens lhe dão a perder para o seu adversário Kaïs Saïed, apoiados pelos muçulmanos conservadores do partido Ennahdha, nota LIBÉRATION.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.