Acesso ao principal conteúdo
Política internacional

Presidente da Guatemala toma posse e promete mudanças

Entre muitos desafios, Otto Pérez terá que combater a fome e a violência do narcotráfico
Entre muitos desafios, Otto Pérez terá que combater a fome e a violência do narcotráfico Reuters

O novo presidente guatemalteco, Otto Pérez Molina, recebeu na noite de sábado a faixa presidencial, substituindo o social-democrata Alvaro Colom. Em seu discurso de posse, Pérez prometeu devolver aos guatemaltecos a segurança pública e alimentar. O país vive mergulhado na mais profunda pobreza e seu índice de assassinatos está entre os mais altos do mundo. 

Publicidade

Otto Pérez Molina, general aposentado de 61 anos, citou a era das mudanças prevista pela civilização maia para 2012 para fazer um paralelo com o começo do seu mandato que, segundo ele, será uma era de mudanças para a Guatemala. Ele terá um mandato de quatro anos para provar suas previsões.

Entre suas prioridades, está a redução da violência no país, onde acontecem 38 assassinatos para cada 100.000 habitantes, uma das taxas mais altas do mundo. A pobresa também é um dos desafios maiores de Molina, o mal atinge metade dos 14,3 milhões de guatemaltecos.

Diversos presidentes assistiram a posse, entre eles, Felipe Calderón (México), Juan Manuel Santos (Colômbia), Mauricio Funez (El Salvador), Porfirio Lobo (Honduras), Laura Chinchilla (Costa Rica) e Daniel Ortega (Nicarágua), além do príncipe de Astúrias, Felipe de Borbón. A vice-presidente Roxana Baldetti, primeira mulher a assumir este cargo na América Central, também prestou juramento.

Violência

A posse de Pérez Molina foi marcada pelo assassinato, na sexta-feira passada, do seu irmão, o deputado Valentín Leal. Ele tinha sido reeleito em Alta Verapaz, região do norte controlada pelos traficantes..

Os cartéis da droga, especialmente a gangue mexicana Los Zetas, estenderam sua atuação em diversas zonas da Guatemala, sendo responsáveis por 40% dos crimes que acontecem no país. O general eleito pretende declarar guerra aos grupos criminosos, com unidades de elite do exército

Pérez também prometeu atacar a impunidade no país que, segundo a ONU, chega a 98% dos casos julgados nos tribunais.

 

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.