Acesso ao principal conteúdo
Imprensa francesa

Venda de caças Rafale à Índia é conquista histórica para a França

Venda dos caças Rafale é destaque na imprensa francesa, nesta quarta-feira.
Venda dos caças Rafale é destaque na imprensa francesa, nesta quarta-feira. RFI

O anúncio feito pelo governo francês da venda de 126 aviões de caça Rafale à Índia é extensamente analisado nos jornais de hoje.

Publicidade

O jornal de esquerda Libération diz que os indianos aceitaram ser "cobaias" dos caças franceses, fabricados pelo grupo Dassault. O jornal não confia numa assinatura de contrato com a Índia baseada apenas na euforia do governo francês.

O jornal lembra a seus leitores que o presidente Nicolas Sarkozy foi ao Brasil para as comemorações do 7 de setembro de 2009 com a esperança de conseguir o contrato, ouviu a promessa do ex-presidente Lula, mas a venda nunca se concretizou. Situação semelhante aconteceu com as autoridades de Abu Dabhi e não houve até hoje a assinatura dos contratos.

Les Echos dedica sua manchete à conquista 'histórica' de uma fatia do mercado indiano da Defesa com a provável venda dos aviões de caça franceses. O jornal considera a venda praticamente concluída, faltando apenas a assinatura do contrato que, por razões fiscais da Índia, não deve acontecer antes do final de março.

O diário econômico avalia que a Índia, um país geralmente lento no processo de tomada de decisões, decidiu acelerar a compra dos aviões militares pelos avanços galopantes do programa militar chinês. A região tem problemas de segurança e a China, com investimentos bilionários em suas Forças Armadas, se tornou um vizinho ameaçador para a Índia. Segundo Les Echos, as forças indianas são equipadas com material russo da velha geração e precisam de renovação urgente.

Le Figaro relata que a Índia é um cliente histórico e fiel da Dassault. Em 1953, o grupo francês assinou com Nova Délhi seu primeiro contrato de exportação, vendendo 71 exemplares do modelo Ouragan.
 

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.