Acesso ao principal conteúdo

Repressão vai continuar na Síria diante da impotência da comunidade internacional

Foto de moradores do distrituo de Bab Amro acampados, no dia 15 de fevereiro.
Foto de moradores do distrituo de Bab Amro acampados, no dia 15 de fevereiro. Reuters/Handout

A resistência dos opositores ao regime sírio e as consequências do impasse da comunidade internacional em frear a repressão promovida pelo presidente Bashar al-Assad estão entre os principais destaques da imprensa francesa desta sexta-feira.

Publicidade

O enviado especial do jornal Libération à região de Homs relata como os moradores lutam para sobreviver diante da ofensiva das forças governamentais à cidade que se tornou o símbolo da revolta contra o governo.

A extensa cobertura começa com o depoimento dramático de uma mulher de 32 anos e de um estudante de 20 que conseguiram fugir de Homs e encontraram refúgio em cidades vizinhas. Eles relatam bombardeios constantes que começam às seis da manhã e terminam tarde da noite. Famílias inteiras tentam escapar das bombas e tiroteios se escondendo no subsolo das casas.

O estudante Ahmed, que não consegue retomar os estudos devido à violência, diz ter sido obrigado a subornar soldados para conseguir deixar o bairro de Bab Amro, o mais visado pelos ataques.

Em editorial, o jornal Le Figaro avisa que o conflito vai durar e o regime sírio lançou uma operação para reconquistar as regiões nas mãos dos opositores. Com a proteção da Rússia, que bloqueia na ONU uma resolução sobre a Síria, o presidente Bashar al-Assad não teme nada. A impotência ocidental é evidente, escreve o Le Figaro, o que deixa o regime com as mãos livres para usar até os recursos mais selvagens para calar seus opositores.

O jornal conservador observa que o movimento de oposição se radicaliza e a rede terrorista Al-Qaeda tenta se aproveitar da situação de desestabilização do país. O Le Figaro concluiu que a longo prazo o regime e al-Assad está condenado, mas, por outro lado, a Síria é um país tão estratégico no mundo árabe e há tantos interesses em jogo que é difícil imaginar uma saída rápida para a crise.

Sarkozy

O primeiro dia de campanha do presidente Sarkozy à reeleição também mereceu destaque nos jornais. O Aujourd'hui en France escreve que ao percorrer por uma hora e meia as ruas da cidade de Annecy, sudeste da França, cumprimentando eleitores, Sarkozy retomou o prazer de estar de novo em campanha eleitoral.

Para o econômico Les Echos, em seu comício na cidade, o presidente se apresentou como um candidato anti-sistema. E o L'Humanité ouviu politólogos que analisaram a entrevista na tevê na quarta-feira, onde Sarkozy anunciou oficialmente sua entrada em campanha. Além da audiência de 10 milhões de expectadores ter sido menor do que a esperada, sua candidatura é considerada pouco convincente, afirma o jornal comunista.
 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.