Acesso ao principal conteúdo
Saúde

Agência francesa alerta sobre riscos do Bisfenol A para mulheres grávidas

Segundo a agência francesa Anses, as latas de conserva têm alto teor de Bisfenol A.
Segundo a agência francesa Anses, as latas de conserva têm alto teor de Bisfenol A. Sylvain Raybaud

A Anses (Agência de Alimentação e Meio Ambiente da França) lançou hoje um alerta sobre os riscos de contaminação por Bisfenol A. Segundo o estudo, mulheres grávidas expostas ao produto químico podem prejudicar a saúde do bebê.

Publicidade

O estudo da agência foi o resultado de três anos de pesquisa e as conclusões são categóricas: o Bisfenol A, que ainda é muito utilizado na indústria alimentar, representa um grande risco para as mulheres grávidas e para caixas de supermercado que são expostas diariamente ao contato com o produto químico. O estudo confirma que o Bisfenol A é um “perturbador endócrino” e pode ter efeitos nefastos na saúde, sobretudo nos fetos.

"Os efeitos identificados são a modificação da estrutura das glândulas mamárias das crianças que nascerão, o que poderia favorecer o desenvolvimento de tumores”, informa a agência. Problemas no cérebro, distúrbios de comportamento, obesidade e problemas no aparelho reprodutor feminino também apareceram na lista de problemas provocados pelo BPA.

Nesse estudo, a Anses afirma também que, pela primeira vez, é possível afirmar com certeza que há uma relação direta entre a exposição ao produto e os problemas de saúde. Para a pesquisa, os cientistas observaram à reação de animais a diversos graus de contato com o Bisfenol 1 tanto no contato pelo ar quanto pela pele.

Em 2011, o diretor da Anses, Marc Mortureux, já havia alertado para os riscos do BPA e recomendado a sua substituição imediata. Em mamadeiras, chupetas e utensílios plásticos, a eliminação do BPA dos produtos foi rápida. O componente químico, porém, continua a ser usado em larga escala no interior de latas de conserva na França. De acordo com o relatório, 80% da contaminação se dá pela ingestão de alimentos.

A agência também observou a presença do Bisfenol A em tubos de policarbonato que integram os bebedouros. “Essa é uma fonte importante de contaminação por Bisfenol A”, revela a agência. Entre as profissões mais expostas aos riscos, estão as caixas de supermercados e de lojas. Os cupons fiscais que elas manipulam diariamente têm um alto teor de BPA.

Em resposta ao relatório, a ministra da Ecologia da França, Delphine Batho, anunciou que irá propor à Comissão Europeia a proibição de BPA nos cupons fiscais dos caixas. Ela também prometeu estudar outras substâncias que possam ser consideradas como pertubadores endócrinos.
 

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.