Acesso ao principal conteúdo
Síria/Intervenção militar

Parlamento francês discute intervenção militar na Síria

O ministro da defesa, Jean-Yves Le Drian (à esq.), com o ministro das Relações Exteriores francês, Laurent Fabius e o primeiro-ministro francês, Jean-Marc Ayrault, discutem uma intervenção militar na Síria.
O ministro da defesa, Jean-Yves Le Drian (à esq.), com o ministro das Relações Exteriores francês, Laurent Fabius e o primeiro-ministro francês, Jean-Marc Ayrault, discutem uma intervenção militar na Síria. REUTERS/Christian Hartmann

O parlamento francês debate nesta quarta-feira, dia 4 de setembro, em sessão extraordinária, a participação da França em uma eventual ação militar na Síria para punir o regime de Bashar al-Assad pelo uso de armas químicas. O presidente francês François Hollande disse hoje que qualquer que seja o resultado da votação no Congresso americano, na próxima segunda-feira, a França está determinada a agir.

Publicidade

O primeiro-ministro francês Jean-Marc Ayrault tentará convencer hoje os deputados e senadores franceses da necessidade de agir contra o regime de Bashar al-Assad pelo ataque químico que matou mais de 1.400 civis. A proposta sobre a intervenção na Síria não será submetida imediatamente à votação. As diversas forças políticas poderão, no entanto, questionar a posição do governo socialista e manifestar suas opiniões.

Como chefe das Forças Armadas, o presidente François Hollande não precisa consultar o parlamento para agir, mas os políticos estão divididos e 74% dos franceses, segundo pesquisa divulgada hoje, querem que haja uma votação antes de uma ação militar.

Em entrevista esta manhã, o chanceler Laurent Fabius disse que, apesar dos temores de represália, a intervenção ocidental deverá favorecer uma solução política do conflito na Síria.

Para complicar a tomada de decisão do presidente americano Barack Obama e de seu homólogo François Hollande, principais defensores da operação militar, o secretário-geral da ONU, Ban Ki-Moon, advertiu ontem que uma "ação punitiva" poderia ter impacto sobre os esforços que estão sendo feitos para facilitar uma solução política do conflito.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.