Acesso ao principal conteúdo
Sudão do Sul/refugiados

Conflitos no Sudão do Sul já fizeram quase 122 mil refugiados

Vista geral do campo de refugiados da ONU em Bor, no Sudão do Sul, em foto do dia 25 de dezembro de 2013.
Vista geral do campo de refugiados da ONU em Bor, no Sudão do Sul, em foto do dia 25 de dezembro de 2013. REUTERS/James Akena

Quase 122 mil pessoas deixaram suas casas desde o início dos conflitos no Sudão do Sul, em meados de dezembro, informou em Genebra, a Agência das Nações Unidas para Coordenação de Ajuda Humanitária (Ocha). Agências humanitárias fazem apelo à comunidade internacional por ajuda para financiar operações.

Publicidade

Entre esses refugiados, cerca de 63 mil encontraram abrigo nas bases da ONU nas localidades de Juba, Bor, Malakal, Bentiu e Panang. Só na capital Juba, 25 mil pessoas abandonaram seus domicílios.

O governador do Estado sudanês de Nilo Blanco (na fronteira com o Sudão do Sul), Youssef al Shanbali, prometeu acolher e facilitar o acesso aos serviços básicos para os refugiados.

As agências humanitárias lançaram um apelo à comunidade internacional para recolher 166 milhões de dólares para financiar as operações de ajuda alimentar, médica e de distribuição de produtos de primeira necessidade.
Diante da escalada de violência, 26 grupos de direitos humanos e da sociedade civil do Sudão e Sudão do Sul pediram em comunicado o fim dos combates e o início do diálogo.

Guerra pelo poder

Os confrontos neste país africano começaram no dia 15 de dezembro, depois que o presidente Salva Kiir acusou seu ex-vice-presidente Riek Machar - destituído por ele em julho - de tentativa de golpe de Estado. Machar nega estas alegações e acusa o presidente de querer eliminar seus rivais.

O petróleo é responsável por 95% da economia do Sudão do Sul e tem sido seriamente afetado pelo conflito. O governo afirma que as instalações não foram atingidas, apesar de as companhias terem começado a retirada de seus funcionários. O Sudão do Sul enriqueceu com o petróleo após a independência, mas a pobreza ainda atinge a maioria da população.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Faça o download da aplicação

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.