Acesso ao principal conteúdo
Japão/TEPCO

TEPCO pede ajuda de 9,6 bilhões de dólares ao Estado japonês

Foto do dia 7 de novembro mostra empregados da TEPCO realizando rotina de segurança em Fukushima.
Foto do dia 7 de novembro mostra empregados da TEPCO realizando rotina de segurança em Fukushima. REUTERS/Kimimasa Mayama/Pool

A companhia de energia elétrica TEPCO, responsável pela central nuclear de Fukushima, anunciou hoje ter pedido uma ajuda ao governo japonês equivalente a 21 bilhões de reais para indenizar as vítimas diante das perdas materiais, danos morais e outros prejuízos causados a particulares e empresas. Com o pedido de hoje, os valores das indenizações às vítimas podem chegar a cerca de 100 bilhões de reais, uma soma que a Tepco deverá reembolsar no futuro.

Publicidade

Trata-se da sexta vez que a TEPCO solicita fundos ao Estado, que depois da tragédia de 2001 se converteu no principal acionário da empresa. Desde o acidente e levando-se em conta a soma anunciada nesta sexta-feira, o Estado japonês forneceu à TEPCO mais de 45 bilhões de dólares, equivalente a 105 bilhões de reais - para indenizar as vítimas.

O acidente de Fukushima Daiichi (220 km a nordeste de Tóquio) constituiu a pior tragédia nuclear desde a de Chernobyl, na Ucrânia, em 1986. Cerca de 160.000 pessoas abandonaram as áreas próximas ao complexo da central nuclear de Fukushima e uma grande parte nunca poderá voltar para casa.

‘Cultura de Segurança’

A americana Barbara Judge, ex-presidente da autoridade nuclear britânica e que hoje trabalha na TEPCO, declarou que pretende instilar “uma cultura de segurança” na companhia. Judge foi contratada há alguns meses pela TEPCO para se juntar a outros especialistas internacionais em um comitê que faz a gestão das consequências do acidente nuclear de março de 2011.

“A TEPCO deve passar de uma cultura de eficácia para uma cultura de segurança”, afirmou Judge à agência France Presse. “Apesar de uma resistência inicial, parece que os responsáveis da TEPCO compreenderam recentemente que a segurança deve ser prioritária”, acrescentou.

 

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.