Acesso ao principal conteúdo
Estados Unidos/Frio

Frio polar provoca cancelamento de milhares de voos nos EUA

Um homem tenta abrir caminho na neve em Indianópolis, em Indiana, neste 7 de janeiro de 2014.
Um homem tenta abrir caminho na neve em Indianópolis, em Indiana, neste 7 de janeiro de 2014. Reuters/Brent Smith

O frio polar que atinge os Estados Unidos continua a pesar na vida de milhões de norte-americanos, com transportes aéreos perturbados, escolas fechadas e abrigos para moradores de rua superlotados. Milhares de voos foram anulados ou tiveram suas decolagens atrasadas novamente nessa terça-feira, 7 de janeiro, provocando caos no norte do país e no vizinho Canadá.

Publicidade

De acordo com o site FlightAware.com, que acompanha o funcionamento do tráfego aéreo, mais de 2.900 voos foram anulados nessa terça-feira, 7 de janeiro, por medida de segurança. Pelo menos 1.950 aviões também decolaram com atraso, complicando a vida dos passageiros. O aeroporto de Chicago é um dos mais atingidos, com cerca de 30% de sua atividade perturbada.

A situação também é crítica no Canadá. O aeroporto de Toronto teve de interromper temporariamente suas aterrissagem após o congelamento de alguns equipamentos, que não resistiram às temperaturas de -37° centígrados registradas na região canadense.

Nos Estados Unidos, entre as grandes cidades do país, Detroit e Chicago são as que mais sofrem, com termômetros na casa dos -20°, mas com uma sensação térmica de -33°. Em Nova York, -15,5° foram registrados em pleno Central Park no meio do dia, um recorde que não era batido desde 1934.

Os serviços meteorológicos avisaram que o frio vai continuar, mas a massa polar deve se deslocar agora para o leste do país. Um possível aumento de temperatura não foi descartado.

Estado de emergência

Como medida preventiva, o governador do Estado de Nova York, Andrew Cuomo, decretou estado de emergência. O frio glacial também pode ter consequências negativas no transporte de petróleo na Dakota do Norte e Texas, onde as temperaturas registradas foram as mais baixas dos últimos quarenta anos. As autoridades pedem prudência à população quando caminhar pelas ruas escorregadias e aconselha todos a se agasalharem bem antes de sair de casa devido ao risco de hipotermia.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.