Acesso ao principal conteúdo
Brasil/Petrobras

Para jornal Le Monde, caso Petrobras causa "terremoto político no Brasil"

Capa do jornal Le Monde traz a foto da presidente do Brasil, Dilma Rousseff.
Capa do jornal Le Monde traz a foto da presidente do Brasil, Dilma Rousseff. Reprodução capa Le Monde

Em sua edição datada de domingo (8) e segunda-feira (9), o jornal francês Le Monde estampa em sua primeira página a fotografia da presidente Dilma Rousseff, com o título "O escândalo que estremece o Brasil". O caso das propinas milionárias desestabiliza a cena política, com cerca de 50 personalidades visadas, muitas delas bem próximas da presidente.

Publicidade

"Tremor de terra político no Brasil". Assim começa o artigo de página inteira dedicado ao escândalo da Petrobras, observando que as consequências desse tremor ainda são imprevisíveis devido às suas raízes oriundas do próprio Estado em que nenhum dirigente, ao que tudo indica, será poupado.

Le Monde analisa que a publicação da lista de 54 personalidades que estão na mira do procurador da República, Rodrigo Janot, revela a extensão das ramificações e circuitos financeiros ocultos organizados de forma quase institucional no centro das principais esferas do poder brasileiro.

"Nunca tantos homens políticos haviam sido expostos desta maneira", afirma o jornal, citando o envolvimento dos quatro grandes partidos do Congresso: o PT, Partido dos Trabalhadores, o PMDB - Partido do Movimento Democrático Brasileiro, o PSDB - Partido Social-Democrata Brasileiro, e o PP - Partido Popular. "Todos são suspeitos de ter recebido comissões faraônicas para alimentar seus caixas 2", diz Le Monde.

O jornalista publica uma "lista Janot" com 22 deputados, mas se equivoca nos outros números ao citar 14 senadores, ao invés de 12, e em torno de 15 governadores e ex-dirigentes políticos, ao invés de esclarecer que se trata de uma ex-governadora, Roseana Sarney, e outros 14 ex-dirigentes políticos sem mandato atualmente.

Dilma fragilizada

Para Le Monde, esta nova etapa no caso Petrobras fragiliza mais ainda o poder. Dilma vem sendo criticada dentro do seu próprio partido sobre o modo de administrar o caso. "Ela sabe que corre um grande risco", escreve o jornalista Nicolas Bourcier, lembrando que ela despencou nas pesquisas de opinião pública (23% favoráveis).

O jornal constata um vento de histeria nos brasileiros, apesar de sua fama de cordialidade e descontração: apenas dois meses e meio depois de sua reeleição, manifestações de rua foram convocadas para 15 de março para pedir o seu impeachment. O seu envolvimento no escândalo Petrobras é o principal argumento.

Le Monde faz um balanço do modelo brasileiro, sem nenhuma reforma em doze anos nas áreas política, econômica, social e na educação.

"Dilma Rousseff parece desorientada no comando de um navio à deriva", é a severa visão do jornal sobre a presidente do Brasil. No entanto, o artigo aconselha prudência, lembrando que a instabilidade de 1964 levou ao golpe de Estado que culminou na ditadura. "Seria um mau serviço para as instituições pressionar Dilma Rousseff a partir antes do fim do seu segundo mandato", conclui Le Monde.
 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.