Acesso ao principal conteúdo
Em directo da redacção

Fernando Campos e a situação na Venezuela

Áudio 05:33
Na Venezuela os protestos têm vindo a ser reprimidos com a crise sócio-política a agudizar-se.
Na Venezuela os protestos têm vindo a ser reprimidos com a crise sócio-política a agudizar-se. Reuters

Neste dia 1 de Maio, a oposição  venezuelana celebra  um mês de manifestações contra o executivo  do Presidente Nicolás Maduro. Os   adversários políticos  de Maduro, acusam-no de  implementar  um  golpe  de Estado  permanente por  não  respeitar  as  prerrogativas do  parlamento , bem como de reprimir as  manifestações populares que exigem eleições antecipadas.  Em  declarações à RFI, o conselheiro para as comunidades portuguesas da Venezuela, Fernando Campos,  considera que a estratégia do poder  de Caracas visa ganhar  tempo.   

Publicidade

Um  mês  após início da contestação ao governo  do Presidente  Nicolás  Maduro,  vinte e oito pessoas morreram nos  confrontos com  as forças da ordem. A oposição liderada nomeadamente por Henrique Capriles, candidato infeliz às útimas eleições presidenciais  denunciou a repressão do executivo, que ela acusa de realizar um golpe de Estado permanente.O Chefe de  Estado da Venenzuela imputa a oposição a  responsabilidade de actos terroristas para  facilitar  um  golpde Estado , assim como  um  intervenção estrangeira sob a  égide dos Estados Unidos. No dia 28 Abril,a Venezuela  decidiu abandonar a OEA(Organização dos Estados Americanos) para protestar contra o que ,o governo de Caracas qualificou de ingerência nos assuntos internos venezuelanos. 

 A  escalada da tensão caracteriza  o país da América do Sul, que  possui no seu solo as maiores reservas em  petróleo do mundo, que para além da crise política, sofre de uma forte penúria de géneros alimentícios e de medicamentos. Segundo Fernando Campos, conselheiro para as comunidades portuguesas da Venezuela, o único desfecho possível para a crise política que afecta o país sul-americano,é a implementação pelo executivo  do calendário eleitoral. Neste  capítulo, o governo confrontado com uma forte impopularidade, dá a impressão de querer ganhar tempo.

 

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.