Acesso ao principal conteúdo
França

França paralisada pelo coranavírus mesmo assim vota em eleições municipais

Franceses votam na primeira volta das eleições municipais apesar da epidemia do coronavírus
Franceses votam na primeira volta das eleições municipais apesar da epidemia do coronavírus ©Jean-Baptiste Gurliat/Mairie de Paris

Cerca de 47,7 milhões de eleitores estão a votar desde esta manhã em França no quadro da primeira volta das eleições municipais inéditas já que o país está praticamente paralisado devido à epidemia do coronavírus. Efectivamente, nos dois últimos dias o Presidente Macron e o seu Primeiro ministro Édouard Philippe, mandaram fechar todos os estabelecimentos públicos como escolas, liceus, universidades e recintos culturais e desportivos a par de bares, cinemas ou restaurantes.

Publicidade

Os franceses estão a votar este domingo na primeira volta das eleições municipais mas com a crise da edpidemia do coronavírus e o encerramento de todos os lugares públicos desde escolas até bares e cinemas a participação está a sofrer um rombo situando-se nos 18,38%, menos 5 pontos, em relação às anteriores eleições de 2014.

Os  47,7 milhões de eleitores votam para eleger o Presidente da câmara municipal e da assembleia municipal num contexto sem precedentes quando nos dois últimos dias o Presidente Macron anunciou o fecho das escolas, liceus e Universidades e o Primeiro ministro Édouard Philippe, mandou fechar bares, cinemas ou restaurantes.

As urnas estão abertas desde as 8 horas mas os franceses arrastam com os pés preferindo ficar em casa, aliás, seguindo os conselhos do primeiro ministro que ontem exortou os idosos e pessoas frágeis a limitar as suas deslocações.

O risco, portanto, duma abstenção de massa está na mente de todas as pessoas sobretudo políticos, tanto mais, que devido ao coronavírus, quase que não houve campanha para estas municipais nas últimas semanas.

Ao exercer o seu direito de voto, o Presidente Macron, exortou os franceses que podem a ir votar, um direito constitucional.

Porquê que o Presidente e Primeiro ministro não adiaram as eleições municipais?

Muitos analistas perguntam porque é que nem o Presidente Macron nem o seu Primeiro ministro Édouard Philippe, não adiaram estas municipais, tendo em conta esta situação de quase estado de emergência total.

Até ontem à noite, vários eleitos dos quais 6 Presidentes de Região, defenderam um adiamento da primeira volta destas eleições municipais, mas o Primeiro ministro francês, preferiu manter o escrutínio na sua intervenção de ontem à noite.

Em termos jurídicos bastaria que ele publicasse um decreto para adiar as municipais.

É pois nesta clima de epidemia do coronavírus que os franceses votam mas muito cépticos. "Estamos a votar e aproveitamos para fazer as compras nos centros comerciais de produtos alimentícios que continuam abertos mas depois regressamos à casa", declarou uma eleitora Céline.

"Nos próximos dias as interacções sociais vão ser limitadas e fazemos as compras para regressarmos à casa e não sairmos mais", replica outro eleitor mais céptico.

 

França paralisada pelo coranavírus mesmo assim vota em eleições municipais

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.