Acesso ao principal conteúdo
Revista de Imprensa

Coronavírus ameaça economia mundial e Europa quer plano de salvação

Áudio 03:51
Primeiras páginas dos diários franceses esta sexta-feira, 27 de Março de 2020
Primeiras páginas dos diários franceses esta sexta-feira, 27 de Março de 2020 © RFI

As primeiras páginas da imprensa diária francesa dão relevo às consequências económicas da epidemia do coronavírus. 

Publicidade

LE MONDE, titula, desemprego de massa, ameaça mundial. Por cá na Europa, por causa do coronavírus, os 27 elaboram propostas estando a Alemanha e a Holanda abertas a um mecanismo de estabilidade. Europa está à procura de respostas à crise económica sem precedentes que a pandemia criou com o confinamento de todo o continente.

Um plano independentemente da suspensão do pacto de estabilidade e constrangimentos orçamentais que pesam sobre os paíes da zona euro alijeirando o regime de ajuda para permitir aos governos socorrer suas empresas.

A Comissão europeia quer disponibilizar 37 mil milhões de euros para ajudar a financiar os estragos que o vírus provoca, para além de o Banco central europeu querer injectar mais de 1 bilião de euros na economia através do Banco europeu de investimento, nota, LE MONDE.

Também, LIBÉRATION, titula, coronovírus, economia em terra desconhecida. Para lutar contra um desmoronamento económico  os dirigentes do G20 comprometeram-se ontem durante uma videoconferência a injectar na economia dos seus países cerca de 5 biliões de dólares.

12 anos depois da crise de 2008 os peritos navegam sem bússola porque nao ha visão sobre o fim da pandemia. O mesmo LIBÉRATION, escreve que o Primeiro ministro britânico,Boris Johnson e o seu ministro da Saúde formam controlados positivamente com o coronavírus.

Mas ainda sobre a economia, L'HUMANITÉ, refere-se ao sector da imprensa escrita em situação de desastre industrial. Os correios decidiram distribuir os jornais apenas 3 dias por semana o que coloca o sector já em dificuldaddes numa situação de grande perigo.

Corrida a um remédio e teorias conspiracionistas 

Por seu lado, LE FIGARO, titula, coronavírus, a corrida acelerada atrás de um remédio. No mundo há pelo menos 108 testes em curso em doentes que provam a eficácia de cerca de 40 tratamentos potenciais.

Em França, a cloroquina poderá ser receitada pelos médicos. O ministro da Saúde Olivier Véran publicou ontem no Boletim oficial um decreto autorizando a venda da hidroxicloroquina associada ao lopinavir/ritonavir, se o médico achar por bem, isto sem esperar pelos resultados de testes clínicos em curso, nota, LE FIGLARO.

Por seu lado, AUJOURD'HUI EN FRANCE/LE PARISIEN, refere-se a  teorias de conspiraçao que circulam sobre o coronovirus que seria uma arma biológica ou de já  existir uma vacina. A ex-ministra da Saúde, Christine Boutin, interroga-se sobre esta epidemia dizendo que tem uma impressão desagradável que nos esconde qualquer coisa. Podem-nos dizem a verdade?

No Brasil, apoiantes do Presidente Bolsonaro, dizem que a pandemia é uma invenção da comunicação social e uma mentira da esquerda.

Mas ainda há conspiracionistas que dizem que o Covid-19 foi criado de propósito pelos Estados Unidos, acrescenta, AUJOURD'HUI EN FRANCE.

Enfim, sobre o continente africano, LE MONDE, refere-se à Tunísia, onde é afectada a economia informal que representa 40% do bolo económico do país. A Tunisia já estava a atravessar duma situação complicada antes da epidemia.

Para financiar um plano de ajuda de 800 milhões de euros às empresas e aos desempregados, o governo recorreu à Caixa de Previdência, a Orçamento rectificativo e a doadores internacionais como o FMI. Em matéria legislativa o governo pediu ao Parlamento para accionar o artigo 70 da Constituição para o permitir governar por decretos durante um período de dois meses, sublinha, LE MONDE. 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.