Acesso ao principal conteúdo
Guiné-Bissau

Guiné-Bissau: "governo de Aristides Gomes é o único em funções"

Aristides Gomes, primeiro-ministro da Guiné-Bissau exonerado a 21 de Outubro pelo Presidente José Mário Vaz
Aristides Gomes, primeiro-ministro da Guiné-Bissau exonerado a 21 de Outubro pelo Presidente José Mário Vaz Lusa

Armando Mango, ministro da Presidência do Conselho de Ministros e porta-voz do governo exonerado de Aristides Gomes, afirma que este é o único em funções que continua a trabalhar "normalmente"e que o nomeado não tem qualquer validade.

Publicidade

O governo de Aristides Gomes saído das eleições legislativas de 10 de Março, ganhas pelo PAIGC, foi exonerado esta segunda-feira (21/10) por decreto presidencial e esta quinta-feira (31/10) o Presidente José Mário Vaz nomeou e deu posse a um novo executivo liderado por Faustino Imbali, dirigente do PRS.

Para tal foi concluído um pacto de incidência parlamentar ente os partidos MADEM-G15, PRS e APU-PDGB, cujo objectivo é garantir a estabilidade do país e realizar as eleições presidenciais na data prevista, ou seja 24 de Novembro.

Armando Mango, ministro da Presidência do Conselho de Ministros e porta-voz do governo de Aristides Gomes afirma que "este é o ùnico governo em funções que continua a trabalhar normalmente e que o nomeado ontem por decreto presidencial de um candidato às presidenciais não tem qualquer validade".

O mandato do Presidente José Mário Vaz expirou a 23 de Junho e desde então ele tem prerrogativas reduzidas e determinadas pelo protocolo da CEDEAO de 29 de Junho, que encarrega o governo de conduzir o proceso eleitoral até às eleições.

Chega este sábado (2/11) a Bissau uma nova missão de alto nível da CEDEAO, organizaçao sub-regional mediadora da crise guineense desde o golpe de Estado de 2012.

Ontem o presidente José Màrio Vaz na tomada de posse do novo governo afirmou que este vai "resgatar a soberania do pais e retirà-lo da tutela internacional".

Para Armando Mango esta missão "deverà lembrar a alguém que o país assinou protocolos com a CEDEAO, que vinculam o Estado e devem ser cumpridos".

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.