Acesso ao principal conteúdo

Guiné-Bissau: CEDEAO reconhece Aristides Gomes como Primeiro-ministro legítimo

Aristides Gomes, Primeiro-ministro da Guiné-Bissau.
Aristides Gomes, Primeiro-ministro da Guiné-Bissau. Lusa

A comitiva da CEDEAO, que esteve em Bissau para ajudar a solucionar a crise  política vigente na Guiné-Bissau, reconheceu Aristides Gomes como o Primeiro-ministro legítimo do país, bem como ameaçou de sanções os que tentarem perturbar a eleição presidencial de Novembro.

Publicidade

Aristides Gomes é o primeiro-ministro legítimo da Guiné-Bissau.Quem perturbar a organização de eleições presidenciais será sancionado. As eleições presidenciais devem ter lugar impreterívelmente no dia 24 de Novembro.

Estas são as principais conclusões da missão ministerial da CEDEAO
que se deslocou domingo à Bissau.
 

A missão reuniu-se com José Mário Vaz, Presidente cessante da
Guiné-Bissau, bem como, com Aristides Gomes,a comissão nacional de eleições
e os representantes da comunidade internacional sedeados em
Bissau.
 

A missão não referiu no comunicado final o teor da conversa mantida
com José Mário Vaz, mas fontes da CEDEAO indicaram à RFI que o
Presidente cessante terá dito à missão que mantem a sua decisão de
nomear Faustino Imbali, primeiro-ministro.

Uma cimeira extraordinária de chefes de Estados e de Governos do
espaço CEDEAO terá lugar na sexta-feira, dia 08, no Níger, para
justamente tomar uma posição quanto a crise politica na Guiné-Bissau.
 

No imediato, a CEDEAO confirmou Aristides Gomes como Primeiro-ministro,
felicitou os 12 candidatos às eleições presidenciais  e pediu que a
campanha eleitoral, iniciado no dia 2 de Novembro, decorra dentro de um espirito de
não-violência.

A comitiva da CEDEAO enalteceu a postura de neutralidade das Forças
Armadas, perante  mais uma crise politica, no país da África ocidental.
 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Faça o download da aplicação

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.