Acesso ao principal conteúdo
Guiné-Bissau

CEDEAO lembra a JOMAV que é presidente interino

Jose Mario Vaz, presidente cessante da Guiné-Bissau
Jose Mario Vaz, presidente cessante da Guiné-Bissau AFP / SIA KAMBOU

A Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental hoje reunida em Niamey, no Níger, decidiu reforçar a força militar na Guiné-Bissau e advertiu o Presidente de que qualquer tentativa de usar as forças armadas para impor um acto ilegal será “considerada um golpe de Estado”.

Publicidade

No comunicado final da cimeira extraordinária realizada esta sexta-feira, os chefes da CEDEAO decidiram “reforçar a Ecomib para permitir fazer face aos desafios que se colocam antes, durante e depois das eleições”.

No documento, recordam a José Mário Vaz, que é “presidente interino” desde 23 de Junho, e que “todos os seus actos devem ser subscritos pelo primeiro-ministro, a fim de lhe conferirem legalidade”.

A organização regional adverte, ainda, que “qualquer recurso às forças armadas ou às forças de segurança para impor pela força qualquer acto ilegal será considerado como um golpe de Estado” e isso “levará à imposição de sanções a todos os responsáveis”.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.