Acesso ao principal conteúdo
Convidado

Pandemia provocou “o maior limiar de consciência de que é possível mudar”

Áudio 19:56
Miguel de Barros, sociólogo guineense
Miguel de Barros, sociólogo guineense © Danilo Vaz

Será que a pandemia do novo coronavírus vai mudar o mundo? O sociólogo guineense Miguel de Barros considera que estamos perante “o maior limiar de consciência de que é possível mudar”. Como, quando e onde? O novo coronavírus criou cenários quase de distopia, mas os erros que a humanidade cometeu até hoje podem criar um novo modelo que não é uma utopia… Uma conversa de hoje sobre o ontem e o amanhã com Miguel de Barros.

Publicidade

Mais do que nunca, nós estamos perante o maior limiar de consciência de que é possível mudar para alavancar todo o entusiasmo que deve existir na alteração do panorama existente até agora”, acredita o sociólogo guineense Miguel de Barros.

A pandemia do novo coronavírus chegou por causa do “falhanço deste modelo económico e cultural, com a devastação da biodiversidade, a sobreprodução, a produção numa lógica de privatização de saberes e o lucro como elemento fundamental da vida”.

Agora, o aviso é claro: “Se nós não formos capazes de fazer a aprendizagem para mudar a lógica, nós não vamos ser capazes de ter um novo começo. Se isso não mudar, muito dificilmente nós vamos ser capazes de criar capacidade efectiva de transformação.

A transformação passa por contrariar “o modelo neoliberal, o modelo que coloca um conjunto de comunidades, saberes e territórios numa situação de confinamento de pobreza” apesar de serem detentoras de recursos que, no final, vão ter de comprar porque estes são transformados e comercializados por outros.

Eu não acredito que é uma dimensão meramente utópica. É uma dimensão realista porque as aprendizagens estão-nos a mostrar que este modelo esgotou, faliu”, justifica.

Para Miguel de Barros, “o novo começo” pode passar pelo “reequacionar a dívida pública ao desenvolvimento e reequacionar a organização e filosofia do sistema financeiro de especulação” no intuito de canalizar essas duas dimensões para mais “investimento no sector social e no sistema de protecção das pessoas”.

Depois, é preciso “um compromisso intergeracional para salvaguardar elementos de afectividade que permitam que os idosos não sejam vistos como elementos descartáveis e os mais novos como sem responsabilidade” porque “a dimensão da convivência humana é algo fundamental e o elemento charneiro desta nova fase que podemos vir a viver”.

Uma entrevista para ouvir neste CONVIDADO.

Um novo começo depois da pandemia do novo coronavírus?

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.