Acesso ao principal conteúdo
Guiné-Bissau/Política

Guiné-Bissau: inconformados vão continuar as manifestações

Polícia guineense patrulha ruas de Bissau. 14/04/2012
Polícia guineense patrulha ruas de Bissau. 14/04/2012 ALFA BALDE / AFP

O líder do Movimento de Cidadãos Conscientes e Inconformados com a crise política na Guiné-Bissau garante que não podem e nem vão parar com as manifestações enquanto persistir a crise no país.

Publicidade

Sana Canté anunciou que o primeiro-ministro lhes solicitou que parassem com as manifestações de rua, mas o Movimento dos Cidadãos Conscientes e Inconformados recusou.

A preocupação de Umaro Sissoco Embaló prende-se essencialmente com o facto de o Movimento dos Cidadãos Conscientes e Inconformados projectar para os dias 20 a 23 de Abril, uma série de manifestações de repúdio à deslocação à Guiné-Bissau do Presidente do Senegal, Macky Sall. Para Sana Canté, Macky Sall está a “instigar a persistência da crise" em Bissau.

Vários elementos do Movimento de Cidadãos Conscientes e Inconformados da Guiné-Bissau reuniram-se com o líder do executivo guineense com o objectivo de encontrarem uma plataforma de entendimento. Todavia, Sana Canté sublinhou que “não podemos e nem vamos parar com as manifestações enquanto persistir a crise”. O grupo exige a demissão do presidente José Mário Vaz.

Na audiência, os jovens aproveitaram para denunciar e repudiar a acção da polícia, no passado sábado, aquando de uma vigília em Bissau. Os participantes foram dispersados com granadas de gás lacrimogéneo e bastonadas.

Umaro Sissoco Embaló prometeu medidas de segurança, a abertura de um inquérito ao sucedido e anunciou ainda que irá colocar o seu lugar à caso acontecer algo contra a integridade física dos líderes do movimento.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Faça o download da aplicação

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.