Acesso ao principal conteúdo
Guiné-Bissau

Jomav vai convidar o Papa a visitar a Guiné-Bissau

José Mário Vaz, Presidente da Guiné-Bissau. 2 de Maio de 2017.
José Mário Vaz, Presidente da Guiné-Bissau. 2 de Maio de 2017. ISSOUF SANOGO / AFP

O Presidente guineense entregou hoje uma carta ao Bispo de Bissau, Dom José Camnaté, endereçado ao Papa Francisco para que o chefe da Igreja Católica visite a Guiné-Bissau. Não foi revelada a data da visita solicitada por José Mário Vaz.

Publicidade

Questionado sobre o teor da audiência mantida com o Presidente José Mário Vaz, o Bispo de Bissau referiu não ter abordado a situação do país, com os líderes da CEDEAO a fixarem no passado fim-de-semana um prazo de 30 dias aos responsáveis políticos da Guiné-Bissau para tirarem o país do impasse. Ao referir que o objectivo da audiência presidencial tinha -sim- por intuito evocar uma possível visita do Papa, o Bispo de Bissau falou numa "linda surpresa" mas não avançou a data em que poderia ocorrer esta visita por não ter conhecimento dos detalhes do convite presidencial. Visivelmente satisfeito, Dom José Camnaté acrescentou ainda que iria endereçar o convite ao Vaticano e realçou que o Sumo Pontífice visita "sobretudo os países periféricos em termos geográficos e humanos" para transmitir uma mensagem de "paz e reconciliação".

Oficialmente laica, a Guiné-Bissau é um país onde convivem várias crenças religiosas, as religiões tradicionais, o Islão e o cristianismo, esta última religião sendo praticada por quase 12% da população, de acordo com o último recenseamento efectuado em 2009. A acontecer, esta não seria a primeira visita de um Papa à Guiné-Bissau. Em 1990, o então Papa João Paulo II efectuou uma deslocação ao país, a primeira alguma vez ocorrida, a convite do Presidente da época, João Bernardo Vieira.

selfpromo.newsletter.titleselfpromo.newsletter.text

selfpromo.app.text

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.