Acesso ao principal conteúdo
Guiné-Bissau

Bissau bloqueada por estudantes que exigem retoma das aulas

Liceu Dr. Agostinho Neto em Bissau
Liceu Dr. Agostinho Neto em Bissau DR

Nova greve dos professores à vista na próxima semana e novo protesto dos alunos, que esta quinta-feira bloquearam as principais avenidas de acesso a Bissau, para exigir entendimento entre o Governo e os professores. 

Publicidade

Os três sindicatos de professores da Guiné-Bissau, respectivamente SINAPROF, SINDEPROF e CIESE reúnem-se este sábado (9/02) para decidir se avançam ou não para um novo movimento de greve de 30 dias, acusando o governo de não cumprir o acordo com a classe docente, que levou ao levantamento da greve em dezembro de 2018.

Os sindicatos acusam ainda o governo liderado pelo primeiro-ministro Aristides Gomes de ter bloqueado os salários de 4.400 professores por terem aderido ao último movimento de greve.

Dependendo da decisão de sábado, a greve poderá ocorrer a partir de segunda-feira (11/02), mas segundo os alunos desde quarta-feira (6/02) que vários professores já não comparecem nas salas de aula.

Cansados de tantas greves dos professores, os alunos das escolas públicas saíram às ruas de Bissau esta quinta-feira(7/02) e literalmente bloquearam a capital, para demonstrar o seu desagrado face ao impasse negocial entre o Governo e os sindicatos dos professores.

Durante as primeiras horas do dia, em protestos pacíficos os alunos ocuparam as principais vias de acesso à capital guineense: a zona da Chapa de Bissau, o largo da Mãe de Água, junto ao conhecido mercado do Bandim e o largo dos ministérios das Finanças e da Justiça, foram pontos estratégicos escolhidos pelos jovens para bloquear a passagem dos carros.

Ninguém podia sair ou entrar nessas zonas de automóvel e a polícia assistiu a tudo sem intervir.

Os jovens prometeram que a partir de sexta-feira (8/02) vão intensificar os protestos e prometem montar tendas nas estradas e diante de edifícios públicos até que o primeiro-ministro, Aristides Gomes atenda às revindicações dos professores.

O jovem Franique da Silva, líder da plataforma 121, um espaço de concertação de alunos de vários liceus de Bissau e do interior da Guiné-Bissau afirma "vamos bloquear...vamos montar diferentes tipos de tendas em diferentes locais e sítios, para avisar o primeiro-ministro de que ele deve pagar, deve cumprir o acordo estabelecido [com os sindicatos dos professores]".

A manifestação desta quinta-feira foi pacífica, os jovens barricaram as estradas mas apenas entoaram cânticos de exortação ao Governo, no sentido de se acabar com o impasse negocial com os três sindicatos dos professores.

Mas, avisam que não vão permitir que vá avante a nova greve dos professores que dizem poderá motivar a anulação do ano lectivo por falta de aproveitamento.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.