Acesso ao principal conteúdo
GUINÉ-BISSAU

Guiné-Bissau: PAIGC reitera DSP, MADEM abdica de Braima

Domingos Simões Pereira na redacção da RFI em português a 29 de Outubro de 2018.
Domingos Simões Pereira na redacção da RFI em português a 29 de Outubro de 2018. RFI/Miguel Martins

O PAIGC, partido vencedor das eleições guineenses de 10 de Março, vai manter o nome do respectivo líder, Domingos Simões Pereira, para o cargo de primeiro-ministro. Por outro lado o MADEM-G15 acabou por propor Satu Camará para segunda vice-presidente da mesa do parlamento.

Publicidade

O PAIGC, Partido africano para a independência da Guiné e Cabo Verde, que lidera a maioria parlamentar analisa a carta justificativa do Presidente da República, para rejeitar o nome de Domingos Simões Pereira, como futuro PM.

Fontes partidárias avançam que nesta última carta, José Mário Vaz evoca dificuldades de relacionamento, e acusa Domingos Simões Pereira de ter apelado à sublevação militar, para além de insultos ao Presidente da República.

Aly Hijazi, Secretário Nacional do PAIGC, garante que o conteúdo da carta do Presidente da República está a ser analisado.

Na tentativa de cumprir o ultimato da CEDEAO, Comunidade económica dos Estados da África ocidental, o Movimento para a Alternância Democrática, Madem-G15 substituiu a candidatura do seu Coordenador Nacional, Braima Camará, para a deputada Adja Satú Camará Pinto, no lugar do segundo vice-presidente do Parlamento.

Ouça aqui a reportagem de Aliu Candé, em serviço especial para a RFI.

O Bureau político do PAIGC tinha deliberado já nesta quinta-feira manter o nome de Domingos Simões Pereira para o cargo de primeiro-ministro.

E isto não obstante a recusa esta semana desse nome pelo chefe de Estado, José Mário Vaz, que comunicou a sua decisão ao partido mais votado nas legislativas tendo-lhe pedido a apresentação de uma outra figura.

O presidente que tem apresentado o impasse no parlamento, em torno da constituição da mesa, para explicar o atraso na nomeação de um primeiro-ministro e do respectivo governo.

O MADEM-G15, segundo partido mais votado, insistia no nome de Braima Camará para segundo vice-presidente da mesa da Assembleia nacional popular, não obstante a respectiva recusa por parte da maioria dos deputados.

Esta força política acaba, porém, de abdicar desse nome e propõe doravante para o cargo Satu Camará, segunda vice-coordenadora do partido.

A missão da CEDEAO,  Comunidade económica dos Estados da África ocidental, ao deixar nesta quinta-feira Bissau instou as autoridades, sob pena de sanções, que até domingo, 23 de Junho, se formasse um novo governo guineense.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.