Acesso ao principal conteúdo
Guiné-Bissau

Líder do PAIGC relembra “regras” do partido

Domingos Simões Pereira nos estúdios da RFI a 29 de Outubro de 2018.
Domingos Simões Pereira nos estúdios da RFI a 29 de Outubro de 2018. RFI/Miguel Martins

O líder do PAIGC, Domingos Simões Pereira, defendeu, esta quinta-feira, que o partido tem “regras estabelecidas para a escolha de candidatos à presidência da República”. Simões Pereira reagiu, assim, à candidatura de Cipriano Cassamá, primeiro vice-presidente do PAIGC, e considerou-a como uma intenção pessoal.

Publicidade

O líder do PAIGC, Domingos Simões Pereira, vencedor das legislativas da Guiné-Bissau, argumentou, esta quarta-feira, que o partido tem “regras estabelecidas para a escolha de candidatos à presidência da República”. As declarações foram feitas num encontro com as estruturas do partido, em Bissau, em reacção à candidatura às eleições presidenciais de 24 de Novembro de Cipriano Cassamá, primeiro vice-presidente do PAIGC e presidente do parlamento.

"A nível do partido não é assim que se escolhem candidatos presidenciais, não é assim que o estatuto estabelece os mecanismos de escolha dos candidatos presidenciais", afirmou Domingos Simões Pereira, salientando que Cipriano Cassamá "é responsável por aquilo que diz, ou aquilo que pensa".

Os estatutos do PAIGC indicam que o candidato às eleições presidenciais seja escolhido através de primárias, a realizar em reunião do Comité Central.

"Eu só posso compreender que Cipriano Cassamá esteja a manifestar um interesse, mais do que isso não posso dizer", afirmou.

Na terça-feira, em Angola, Cipriano Cassamá anunciou, em declarações à Lusa, que vai ser candidato às presidenciais, que vai convidar Domingos Simões Pereira para primeiro-ministro e alegou a existência de um acordo com ele, em 2014. Cassamá disse ter, na altura, desistido da corrida à presidência do PAIGC, possibilitando a eleição de Simões Pereira, pelo que, disse, agora "não haverá problemas" entre os dois. No entanto, Simões Pereira nega a existência de qualquer acordo.

Entretanto, de acordo com o blogue Ditadura de Consenso, o antigo primeiro-ministro, Carlos Gomes Júnior, também do PAIGC, faz o lançamento da sua candidatura às presidenciais, no próximo sábado.

Entretanto, o Presidente José Mário Vaz e Carlos Gomes Júnior, aliados no passado, estão agora a trocar mimos quanto ao paradeiro de 12 milhões de dólares que Angola doou à Guiné-Bissau em 2012, mas cujo rasto está a ser investigado pela justiça.

Certo é que formado que está o novo Governo, parece ter-se aberto o debate à volta das presidenciais na Guiné-Bissau. Os prováveis candidatos ao mais alto cargo público na Guiné-Bissau estão a tomar posições e não tem faltado polémicas. Analistas atentos à vida política no país admitem que já se está na antecâmara do debate para as presidenciais de 24 de Novembro.

Oiça aqui a crónica de Mussá Baldé, o nosso correspondente em Bissau.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.