Acesso ao principal conteúdo
Guiné-Bissau

Guiné-Bissau: PM denuncia tentativa de golpe de Estado

Aristides Gomes. Primeiro-ministro da Guiné-Bissau. Imagem de arquivo.
Aristides Gomes. Primeiro-ministro da Guiné-Bissau. Imagem de arquivo. GEORGES GOBET / AFP

Aristides Gomes denunciou uma tentativa de golpe de Estado por parte de Umaro Sissoko Embaló, o candidato presidencial do MADEM-G15 diz que é tudo "mentira e manipulação”. José Mário Vaz cancelou a agenda prevista para hoje.

Publicidade

A semana começou em ebulição na Guiné-Bissau, com o primeiro-ministro Aristides Gomes a denunciar, na madrugada desta terça-feira, na sua página de Facebook, uma tentativa de golpe de Estado, para impedir a realização de eleições presidenciais marcadas para 24 de Novembro.

O país está a ser empurrado para uma situação de subversão da ordem constitucional por pessoas que querem a todo o custo chegar ao poder. Está em preparação um golpe de Estado com vista a interromper o processo de preparação das eleições presidenciais de 24 de Novembro”, começa assim a publicação intitulada “urgente” na conta oficial de Facebook de Aristides Gomes.

De acordo com o chefe de Governo, a acção “conduziria à prisão do primeiro-ministro assim como de alguns ministros”. Aristides Gomes acusa Umaro Sissoko Embaló: “o autor destes actos chama-se Umaro Sissoco Embaló”, candidato presidencial com o apoio do MADEM-G15, o principal partido da oposição.

Aristides Gomes que se encontra em viagem particular ao Senegal, pediu esta terça-feira o reforço da presença da ECOMIB - a força de interposição da CEDEAO, presente na Guiné-Bissau desde o golpe de Estado de 2012.

Armando Mango, ministro da presidência do Conselho de Ministros e porta-voz do governo na ausência do primeiro-ministro, falou aos jornalistas na tarde desta terça-feira (22/10) à saída de uma reunião, do gabinete de crise do governo guineense, reunião presenciada por alguns ministros, o representante da CEDEAO em Bissau, Blaise Diplo e responsáveis pela Polícia de Ordem Pública.

Armando Mango garantiu à população e aos estrangeiros residentes na Guiné-Bissau que o país está calmo, mas frisou que"manifestações com vandalismo e ataque a instituições do Estado, isso é o que foi veiculado e efectivamente esta manhã veio-se a tentar concretizar o que se estava a ouvir...foi por isso que as autoridades reagiram, primeiro contra aquelas pessoas que tentaram fazer vandalismo e segundo protegendo as instituições do Estado e assegurando a população que aqui se pode viver e não há nada...[mas também]garantir aos parceiros nacionais e internacionais que as eleições de 24 de Novembro sejam realizadas".

Por outro lado, o representante da CEDEAO em Bissau, o marfinense Blaise Diplo disse que a Guiné-Bissau está calma, que não se passa nada, conforme as explicações do Governo e que os preparativos para as eleições decorrem a bom ritmo.

Por seu lado, Umaro Sissoco Embaló nega qualquer envolvimento na suposta tentativa de golpe de estado e diz tratar-se de “mentira e manipulação" do audio que despoletou esta crise.

O candidato às presidenciais acrescenta que a denúncia levantada por Aristides Gomes serve apenas para “fazer perder” as notícias sobre o tráfico de droga.

Em entrevista ao serviço francês da RFI a partir de Dakar, o antigo primeiro ministro Umaro Sissoko Embaló, nega ser o interlocutor no audio divulgado esta madrugada e denuncia "cabalas e manipulação tecnológica", que despoletou esta crise.

"Eu nunca participei num golpe de Estado...com a tecnologia tão avançada é fácil modificar a voz de alguém...temos que parar com essa irresponsabilidade".

O comunicado da presidência, acusa o governo pela forma como tem estado a conduzir o processo eleitoral sem o consenso dos partidos e dos candidatos às eleições presidenciais, e responsabilisa directamente o governo pelo que possa vir a acontecer no país, por qualquer situação que possa fugir à normalidade e chama a atenção aos actores políticos, no sentido de pautarem a sua actuação dentro do quadro legal.

As últimas movimentações em Bissau levaram o Presidente do país a cancelar a agenda desta terça-feira (22/10).

As eleições presidenciais na Guiné-Bissau realizam-se a 24 de Novembro. A campanha eleitoral vai decorrer entre 01 e 22 de Novembro.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.