Acesso ao principal conteúdo
Moçambique

Renamo denuncia esquadrões da morte em Moçambique e Frelimo desmente

Ossufo Momade, líder da Renamo, e Filipe Nyusi, Presidente de Moçambique.
Ossufo Momade, líder da Renamo, e Filipe Nyusi, Presidente de Moçambique. ADRIEN BARBIER / AFP

Em Moçambique, a Renamo acusa a Frelime de ter reactivado os esquadrões de morte para perseguir os seus membros, o que é desmentido pela Frelimo, que diz que o maior partido da oposição quer perturbar a paz no país. Segundo a Renamo, esses esquedrões da morte operam no centro do país, nas províncias de Sofala, Manica, Zambézia e Tete. 

Publicidade

A Renamo, principal força política da oposição, em Moçambique, acusou hoje o partido, no poder, a Frelimo, de ter "reactivado os esquadrões da morte" no país, para levar a efeito actos de violência e perseguir os seus membros.

Estas acusações foram feitas pelo porta-voz da Renamo, José Manteigas, durante uma conferência de imprensa, em Maputo, que denunciou prisões ilegais de elementos do seu partido, levadas a cabo pelas forças de segurança do país.

Estas prisões e perseguições ocorreram segundo o dirigente da Renamo, nas províncias de Sofala, Manica, Zambézia e Tete, no centro de Moçambique, entre 16 de outubro e 11 de novembro.

Para José Manteigas, o Presidente moçambicano, comandante em Chefe das Forças Armadas de Moçambique, Filipe Nyusi, está ao corrente do que "está a acontecer no terreno".

"Depois das eleições do dia 15 de outubro, o país está mergulhando num ambiente de violência sangrenta e perseguição aos membros do partido Renamo", sublinhou à imprensa, José Manteigas. 

Por seu lado, a Frelimo reagiu desmentindo as acusações da Renamo que pelo contrário está interessada na perturbação da ordem ordem e tranquilidade no país.

Segundo Caifadine Manasse, porta-voz da Frelimo trata-se de "uma linha de orientação da própria Renamo". 

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.