Acesso ao principal conteúdo
Moçambique/EUA

Moçambique: Jean Boustani acusa Filipe Nyusi de sabotagem à Privinvest

Termina esta sexta-feira (22/11) em Nova Iorque o julgamento de Jean Boustani, negociador da Privinvest acusada de ter pago milhões de dólares em subornos, entre outros a Armando Guebuza, Filipe Nyusi e à Frelimo.
Termina esta sexta-feira (22/11) em Nova Iorque o julgamento de Jean Boustani, negociador da Privinvest acusada de ter pago milhões de dólares em subornos, entre outros a Armando Guebuza, Filipe Nyusi e à Frelimo. Flickr/Jenifer Corrêa

 Termina esta sexta-feira (22/11) no tribunal de Nova Iorque o julgamento de Jean Boustani, negociador da Privinvest e principal arquitecto da dívida oculta de Moçambique de 2.2 mil milhões de dólares, contraída à revelia do parlamento durante o mandato do Presidente Armando Guebuza

Publicidade

Jean Boustani, cidadão franco-libanês que está em prisão preventiva desde 2 de Janeiro, começou a ser julgado no tribunal federal de Nova Iorque a 15 de Outubro, como principal arguido num processo com 8 réus e a sua sentença poderá ser conhecida esta sexta-feira (22/11) ou dia 2 de Dezembro.

Ele é acusado de fraude económica, pagamento de subornos e branqueamento de capitais, mas a sua defesa nega tudo em bloco afirmando que tal era "parte do projecto para sabotar a Privinvest", enquanto para a "acusação a Privinvest não tinha nenhum projecto viável em Moçambique, tudo era um esquema para obter dinheiro".

Como refere Borges Nhamire, investigador do Centro de Integridade Pública - CIP - que está a seguir este julgamento e esta quinta-feira (21/11) ouviu também as alegações finais, com a defesa a insistir em que Boustani não é culpado.

Durante o interrogatório da defesa, Jean Boustani revelou, entre outros, que o ex Presidente Armando Guebuza pediu à Privinvest apoio financeiro para a protecção da faixa costeira de Moçambique e para financiar a campanha eleitoral da Frelimo, com vista às eleições gerais de 2014, nas quais foi eleito Presidente Filipe Nyusi, até então seu ministro da defesa.

A Privinvest pagou 10 milhões de dólares à Frelimo e pelo menos 1 milhão ao Presidente Filipe Nyusi, segundo pôde apurar o FBI

Jean Boustani acusou o actual governo moçambicano lierado por Filipe Nyusi de ter "sabotado os projectos das três empresas na origem do endividamento EMATUM, ProÍndicos e MAM - Mozambique Asset Management e assim sabotar os projectos da Privinvest em Moçambique".

selfpromo.newsletter.titleselfpromo.newsletter.text

selfpromo.app.text

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.