Acesso ao principal conteúdo
Moçambique

Membros da Nova Democracia libertados sob caução

O Nova Democracia acusa a polícia de detenções arbitrárias.
O Nova Democracia acusa a polícia de detenções arbitrárias. Página Facebook do partido Nova Democracia

Em Moçambique, os 18 membros do partido Nova Democracia, detidos desde 15 de Outubro, foram libertados, este sábado, depois de uma campanha que conseguiu reunir os 10 mil euros exigidos como caução.

Publicidade

Os 18 militantes do partido da oposição Nova Democracia (ND), que tinham sido detidos no dia das eleições gerais de 15 de Outubro, já estão em liberdade, de acordo com o presidente do partido, Salomão Muchanga.

O líder do ND confirmou à RFI que os militantes gozam de liberdade provisória depois de ter sido paga a caução de um pouco mais de 10 mil euros. O dinheiro foi reunido graças a uma campanha de angariação de fundos, já que nem o partido, nem as famílias tinham a quantia - inacessível para a generalidade dos moçambicanos.

As imagens do grupo reunido em liberdade foram divulgadas em directo na página Facebook da Nova Democracia.

A primeira batalha está ganha, mas a luta continua, considerou a mandatária nacional do partido, Quitéria Gueringuane.

Estamos num momento de resgate. Então primeiro resgatamos o nossos inocentes e depois travamos esta luta para que aqueles que sequestraram sejam responsabilizados nas barras da justiça. Todo esta concerto de ilegalidades tem pai, tem padrinho mas, acima de tudo, tem actores principais desde os órgãos eleitorais, a polícia e os próprios actores que deveriam investigar cumprindo a lei e se recusam a respeitar a nossa legislação em Moçambique”, afirmou Quitéria Gueringuane.

Os 18 militantes da Nova Democracia são acusados de terem usado credenciais falsas no dia da votação, algo que o partido desmente.

O grupo, composto maioritariamente por jovens, estava detido na cadeia de Xai-Xai, a capital provincial de Gaza.

Organizações moçambicanas e internacionais juntaram-se nas últimas semanas aos apelos à libertação, considerando a detenção como uma violação dos direitos humanos e um acto de intimidação política em Chókwè, na província de Gaza, reduto da Frelimo, partido no poder.

O Nova Democracia, sem assento parlamentar, é um partido composto maioritariamente por jovens e que concorreu, pela primeira vez, este ano, às eleições legislativas.

Oiça aqui a reportagem de Orfeu Lisboa.

 

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.