Acesso ao principal conteúdo
Ciência

Mutilações genitais femininas: o alongamento vaginal

Áudio 10:39
No âmbito dos rituais de iniciação para a idade adulta, meninas de certas comunidades rurais da zona de Niassa, Nampula e Cabo Delgado, são submetidas à prática do alongamento vaginal.
No âmbito dos rituais de iniciação para a idade adulta, meninas de certas comunidades rurais da zona de Niassa, Nampula e Cabo Delgado, são submetidas à prática do alongamento vaginal. Nações Unidas

Assinalou-se no começo do mês o Dia Internacional de Tolerância Zero para as Mutilações Genitais Femininas, uma jornada instituída pelas Nações Unidas para focar as atenções sobre um fenómeno acerca do qual estima que já afectou 200 milhões de meninas e mulheres em todo o mundo e isto sob diversas formas.  

Publicidade

Entre os vários tipos de mutilações genitais femininas recenseados pela Organização Mundial da Saúde, se encontra uma prática pouco falada: o alongamento vaginal.

Praticado em certas comunidades rurais do norte de Moçambique, o alongamento vaginal faz parte dos rituais de iniciação aos quais são submetidas as meninas no momento da passagem para a idade adulta.

Em entrevista à RFI, Teresinha da Silva, coordenadora em Moçambique da WLSA, Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos, Mulher e Lei na África Austral, explicou no que consistem esses rituais e as consequências do alongamento vaginal sobre as meninas e mulheres.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.