Acesso ao principal conteúdo
Moçambique

Uso de máscaras de protecção obrigatório em Moçambique

Uma vededora usa uma máscara de proteçao contra a covid-19 durante um encontro das vendedoras informais deslocadas dos passeios da baixa da cidade de Maputo para esta nova localização no bairro periferico de Laulanee, em Maputo, Moçambique, 01 de abril de 2020. Moçambique passa a estar a 01 de abril em estado de emergência, por 30 dias. RICARDO FRANCO/LUSA
Uma vededora usa uma máscara de proteçao contra a covid-19 durante um encontro das vendedoras informais deslocadas dos passeios da baixa da cidade de Maputo para esta nova localização no bairro periferico de Laulanee, em Maputo, Moçambique, 01 de abril de 2020. Moçambique passa a estar a 01 de abril em estado de emergência, por 30 dias. RICARDO FRANCO/LUSA LUSA - RICARDO FRANCO

Em Moçambique onde, segundo balanços oficiais se registaram até ao momento 17 casos positivos de coronavírus e uma cura, é já de carácter obrigatório o uso de máscaras de protecção para prevenir o contágio. A decisão é governamental e começou hoje a ser posta  em prática.  

Publicidade

Foi no final da sexta sessão extraordinária do Conselho de Ministros durante o qual foram abordadas novas medidas de prevenção contra o covid-19 a serem aplicadas, que o porta-voz do conselho de ministros Filimão Suaze anunciou a introdução da «obrigatoriedade do uso de mascaras de protecção do nariz e da boca em todos os transportes públicos e privados assim como em todos os aglomerados de pessoas ».

Estas medidas são acompanhadas pela suspensão da proibição do exercício do serviço de táxi por motorizadas e bicicletas, na sequência de varias contestações por parte de operadores do sector nomeadamente no centro e norte do país. O seu funcionamento, contudo, fica condicionado ao uso obrigatório de mascaras pelos ocupantes dos transportes.

Neste contexto de luta activa contra o alastramento a doença, Mateus Tembe, director executivo da Federação Moçambicana de Turismo, não deixou de dar conta das incertezas que pairam sobre o futuro do turismo em Moçambique, este responsável cifrando em vários milhões de dólares os possíveis prejuízos deste sector no seu país.

De referir que se soube hoje que o Banco Mundial e o Fundo Monetário Internacional deveriam disponibilizar cerca de 288,6 milhões de Euros para o combate ao covid-19, uma verba a ser directamente canalizada para o Orçamento do Estado deste ano em Moçambique.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.