Acesso ao principal conteúdo
Moçambique

Presidente moçambicano Nyusi quer negociações com Dhlakama

Imagem da TV moçambicana do presidente Nyusi, à esquerda, com Dhlakama, à direita
Imagem da TV moçambicana do presidente Nyusi, à esquerda, com Dhlakama, à direita TVM

O presidente moçambicano, Filipe Nyusi, mostra-se aberto, uma vez mais, para abrir negciações com a Renamo, mas também com outros moçambicanos, para repor a paz e a serenidade no país.

Publicidade

O chefe de estado moçambicano, Filipe Nyusi, que discursava este domingo, 4 de outubro, na Praça da Paz, Maputo, mostrou-se aberto a novas negociações com a Renamomas também a outras forças moçambicanas, com vista a restabelecer a paz em Moçambique.

As negociações entre o governo moçambicano e a Renamo estão interrompidas há um mês por divergências que têm a ver com a partilha do poder, em Moçambique, ao nível de várias instituições nomeadamente a incorporação de militares e elementos polícias, nas forças armadas e policiais nacionais.

Sem dizer, que Renamo, tem de desarmar as suas milícias, que dão segurança ao seu líder, Afonso Dhlakama, mas protagonizaram com o exército governamental, uma mini-guerra civil, antes e depois das eleições de outubro de 2014, com a principal formação política na oposição, denunciando fraude eleitoral.

Moçambique tem facto vivido num clima permanenete de conflito com focos de guerra em vários pontos do território nacional, com Dhlakama, a dizer recorrentemente que o governo do presidente Filipe Nyusi quer assassiná-lo.

Aliás, Afonso Dhlakama, está neste momento em parte incerta, e nos últimos dias têm havido vários confrontos entre forças da milícia armada da Renamo e o exército e a polícia de intervenção do lado governamental.

Neste dia de hoje, 4 de outubro, e durante um culto ecuménico realizado na Praça da paz em Maputo para assinalar precisamente os 23 anos da assinatura do acordo geral de paz , em Roma, entre a Renamo e a Frelimo, o Presidente Filipe Nyusi, quis enviar esta mensagem de negociações a Afonso Dhlakama. 

Em colaboração com o nosso correspondente, em Maputo, Orfeu Lisboa, leia, ouça e recomende este conteúdo aos seus amigos nas redes sociais. 

 

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.