Acesso ao principal conteúdo
Convidado

Aumentam críticas em torno do escândalo da dívida de Moçambique

Áudio 09:38
Blindados patrulham em Maputo em vésperas de manifestação de protesto contra a dívida.
Blindados patrulham em Maputo em vésperas de manifestação de protesto contra a dívida. RFI/Orfeu Lisboa

Em conferência de imprensa hoje, o chefe do governo moçambicano aludiu à crise da dívida, uma dívida que segundo dados oficiais ascende a cerca de 1,4 mil milhões de Dólares, ou seja mais de 70% do PIB, parte dessa dívida tendo sido aplicada entre 2013 e 2014 nas empresas Proindicus e Mozambique Asset Management para a protecção do litoral e das reservas de gás do país.

Publicidade

Ao lamentar a ocultação dessa dívida, o chefe do governo também se mostrou confiante na possibilidade de restabelecer a confiança com o FMI que suspendeu a sua cooperação há duas semanas e com o Banco Mundial que anunciou ontem a suspensão dos seus financiamentos a Moçambique.

Estes pronunciamentos surgem num contexto social algo tenso, com a convocação via internet de manifestações para os próximos dias, em protesto contra a dívida, uma primeira marcha devendo decorrer já amanhã nas ruas de Maputo sob a vigilância de um forte dispositivo policial.

A sociedade civil e designadamente investigadores da área das ciências sociais também têm emitido críticas em relação à gestão desta crise, nomeadamente ontem durante uma conferência na qual participou o nosso convidado, Baltazar Fael, jurista do CIP -Centro de Integridade Pública- com quem nos debruçamos sobre as possíveis consequências deste escândalo a nível económico e a nível político.
 

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.