Acesso ao principal conteúdo
Moçambique

Governo moçambicano reage a greve na EMATUM

EMATUM - Empresa Moçambicana de Atum
EMATUM - Empresa Moçambicana de Atum DR

O governo moçambicano reagiu ao movimento de greve conduzido na quinta-feira por um grupo de cerca de 30 trabalhadores da empresa moçambicana de atum, a EMATUM, para exigir o pagamento de cerca de 3 meses de salários em atraso, um facto recorrente de acordo com os grevistas.  

Publicidade

Este mesmo grupo composto na sua maioria por marinheiros expressaram igualmente o receio de que a empresa venha a encerrar, tendo afirmado que os 24 barcos que compõem a frota da EMATUM estão em terra desde Dezembro do ano passado, afirmações logo desmentidas pelas autoridades. Ao referir que a empresa está a funcionar a "baixa intensidade", o ministro moçambicano das pescas, Agostinho Mondlane declarou que a direcção da empresa tem de procurar perceber o que está na base do movimento de protesto.

Refira-se ainda que a empresa EMATUM, formada em 2013 na época em que o presidente Guebuza estava no poder, beneficiou para a aquisição dos seus barcos e inicio das suas actividades de cerca de 350 milhões de dólares de empréstimos contraídos pelo governo em troca de garantias soberanas do Estado, a EMATUM sendo uma das empresas moçambicanas alvo de uma auditoria internacional com vista ao esclarecimento do chamado caso das "dívidas ocultas".
 

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.