Acesso ao principal conteúdo
Moçambique

Moçambique : "há condições para ser auto-sustentável"

Empresa brasileira de Goiás, JBS
Empresa brasileira de Goiás, JBS EVARISTO SA (AF) / REUTERS

O Presidente da Republica moçambicano, Filipe Nyusi, reagiu à decisão do seu executivo na semana passada de suspender a importação de frango e carne brasileira, considerando que o país tem condições para ser auto-sustentável.

Publicidade

O ministro da Agricultura moçambicano considerou que a produção brasileira representava uma concorrência desleal ao produto nacional.

Ao considerar, contrariamente ao chefe de Estado, que o país não é auto-suficiente em matéria de produção de carne, Mouzinho Nichols, Presidente da associação moçambicana de defesa do consumidor, refere que Moçambique vai ter que encontrar outras alternativas.

Moçambique "vai ter que olhar para outros mercados que não sejam brasileiros porque a nossa produção interna é deficitária, não conseguimos equilibrar a diferença entre a procura e a oferta. Foi por causa deste défice que o mercado brasileiro foi usado como recurso, e por aquilo que se via é que muita quantidade de carne de frango vinha do Brasil", descreveu o  Presidente da associação moçambicana de defesa do consumidor.

Esta proibição pode criar um vazio do que seria o fornecimento de carne para os consumidores moçambicanos; "acreditamos que podemos recorrer aquilo que chamamos de bens substitutos. Não podemos só olhar para a carne de frango e muitas famílias vão sentir-se privadas"explicou Mouzinho Nichols

Muitos dos consumidores optavam pelo consumo de carne de frango oriundo do Brasil por uma questão de preço.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Faça o download da aplicação

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.