Acesso ao principal conteúdo
Moçambique

Carecas vítimas de violência em Moçambique

Carecas vítimas de violência em Moçambique
Carecas vítimas de violência em Moçambique AFP FOTO/GIANLUIGI GUERCIA

Três pessoas estão detidas na província da Zambézia no centro de Moçambique de onde chegam relatos de perseguição de pessoas com calvície para rituais de feitiçaria. De acordo com as autoridades estes rituais visam o rápido enriquecimento.

Publicidade

Três pessoas estão detidas na província da Zambézia, no centro de Moçambique, de onde chegam relatos de perseguição de pessoas com calvície (ou careca ) para rituais de feitiçaria, que visam o rápido enriquecimento confirmou o comandante distrital da polícia em Morrumbala Afonso Dias.

"Indivíduos desconhecidos retiraram o corpo, deceparam a cabeça (...) quando nos aproximamos, descobrimos que também eram carecas".

A Associação Moçambicana de Médicos Tradicionais - AMETRAMO através do seu presidente Fernando Mate distancia-se desta prática.

"Também não posso confirmar que há alguns medos tradicionais porque ninguém até agora foi preso. Também não estou para dizer que não farão ou fazem", avançou.

Nas últimas semanas, pelo menos cinco pessoas com calvície foram assassinadas no centro de Moçambique. Em causa está a crença de que utilização de órgãos de pessoas calvas em rituais tradicionais, poderia trazer riqueza.

No passado, uma crença similar sobre os albinos transformou as pessoas com esta condição em alvo habitual de máfias que vendem os seus órgãos a bruxos tradicionais em Moçambique e outros países africanos.

Apesar das campanhas de sensibilização e prevenção contra esta crença feitas pelas autoridades, esta prática continua ameaçando os albinos em vários países do continente africano.

Correspondência de Orfeu Lisboa

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.