Acesso ao principal conteúdo
Moçambique

Moçambique: Aborto seguro em perigo

Imagem de Ilustração.
Imagem de Ilustração. Flickr/CreativeCommons

Cerca de 2/3 de programas relacionados com saúde sexual e reprodutiva em Moçambique estão em risco de continuidade. O alerta foi lançado pela AMODEFA, Associação Moçambicana para o Desenvolvimento da Família, que depende em grande parte de fundos norte-americanos para levar a cabo programas relacionados com aborto seguro em Moçambique.

Publicidade

A Associação Moçambicana do Desenvolvimento da familia (AMODEFA) que trabalha na disseminação do aborto seguro em Moçambique já está a sofrer o impacto da retirada do dinheiro do governo norte-americano para financiar as suas actividades.

Os efeitos negativos da conhecida e contestada "política da Cidade do México" serão dramáticos para Moçambique alerta Santos Simione da AMODEFA.

Entretanto apesar do risco de se ver obrigado a cancelar dois terços dos seus programas relacionados com questões sobre diretos sexuais e reprodutivos a AMODEFA vê uma luz no fundo túnel através do financiamento que será disponiblizado pelo governo japonês até ao final deste ano.

Em Moçambique o aborto é permitido até às 12 semanas de gravidez, e em caso de violação, até à 16ª semana.

Mais pormenores com o nosso correspondente, Orfeu Lisboa.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Faça o download da aplicação

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.