Acesso ao principal conteúdo
Moçambique / Renamo

Renamo adverte: "Ninguém governará em Marromeu"

Logótipo da Renamo, principal partido da oposição em Moçambique
Logótipo da Renamo, principal partido da oposição em Moçambique

A Renamo advertiu hoje que ninguém vai governar em Marromeu, na província de Sofala, no centro do país, onde o Conselho Constitucional recusou os recursos interpostos pelo principal partido da oposição e - apesar de ter reconhecido irregularidades - validou a vitória da Frelimo na segunda volta das eleições autárquicas a 22 de Novembro.

Publicidade

É uma advertência da Renamo: Ninguém vai governar em Marromeu, na província de Sofala, no centro do país, onde a 22 de Novembro último decorreu a segunda ronda das quintas eleições autárquicas, por decisão do Conselho Constitucional.

“Em Marromeu, desta vez, ocorreram irregularidades mais graves do que na primeira volta: Tivemos a agressão física a jornalistas; tivemos o roubo de urnas(...) e a polícia a atormentar os eleitores. E é incrível que o Conselho Constitucional venha dizer aos moçambicanos que o resultado é este".

O Porta-voz da Renamo, José Manteigas, reagiu assim à validação das eleicões autárquicas pelo Conselho Constitucional, que atribui vitória à Frelimo e o seu cabeça de lista.

O MDM, outra força politica da oposição com assento no Parlamento, também não concorda com os resultados. A Frelimo canta vitória... Apesar da validação, o Conselho Constitucional reconhece irregularidades no processo eleitoral.

Oiça aqui a correspondência de Moçambique, com Orfeu Lisboa :

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.