Acesso ao principal conteúdo
Moçambique

Cidadãos recusam pagar dívidas ocultas em Moçambique

Logótipo do CIP - Centro de Integridade Pública - Moçambique
Logótipo do CIP - Centro de Integridade Pública - Moçambique CIP

Em Moçambique, está em marcha uma campanha contra o pagamento das dívidas ocultas pelos cidadãos. Promovida pela ONG, Centro de Integridade Pública, a mesma visa forçar o Parlamento a revogar a resolução que aprova a incorporação destas dívidas na conta geral do estado de 2015. 

Publicidade

A Organização não governamental moçambicana, Centro de Integridade Pública, CIP, está a levar a cabo uma campanha contra o pagamento ds dívidas ocultas de 2 mil milhões de dólares, avalizadas pelo estado a favor das empresas, MAM, Proindicus e EMATUM.

A pesquisadora do CIP, Fátima Mimbire, dá voz a esta iniciativa, nestes termos:

"As dívidas ocultas contraídas pelo governo de Armando Emílio Guebuza, são ilegais, injustas e imorais (...) e penalizam os mais pobres. Por isso eu sou contra a legalização destas dívidas".

Uma declaração extraída do vídeo promoconal da campanha "Eu não pago dívidas ocultas" e que tem por objectivo chamar a atenção da sociedade para o impacto destas na vida económica e social de Moçambique.

Uma acção para forçar o Parlamento moçambicano a revogar a resolução que aprova conta geral do Estado de 2015, que legaliza estas dívidas cujas descobertas levaram os parceiros internacionais, incluindo o Banco Mundial e o FMI, a suspenderem a ajuda directa ao Orçamento do Estado.

De Maputo, o nosso correspondente, Orfeu Lisboa. 

 

 

 

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.