Acesso ao principal conteúdo
Moçambique

Amnistia Internacional pede libertação de jornalista

Campanha de libertação de Amade Abubacar pela Amnistia Internacional
Campanha de libertação de Amade Abubacar pela Amnistia Internacional https://www.amnesty.org/en/

A Amnistia Internacional insta as autoridades moçambicanas para libertar ou acusar de um crime legal o jornalista Amade Abubacar.

Publicidade

O jornalista moçambicano da rádio comunitária Nacedje e colaborador do portal Zitamar News, Amade Abubacar, foi detido a 5 de Janeiro na vila de Macomia, em Cabo Delgado, norte do país. A Amnistia Internacional lançou uma petição para libertar o jornalista.

“Amade Abubacar é um jornalista respeitado que estava a recolher testemunhos sobre pessoas que fugiam dos mortíferos ataques em Cabo Delgado quando foi capturado pela polícia. Esta é a mais recente demonstração de desprezo pela liberdade de expressão e de informação por parte das autoridades moçambicanas, que vêem os jornalistas como uma ameaça e os tratam como criminosos,” declarou Tigere Chagutah, Director Adjunto da Amnistia Internacional para a África Austral.

Para além de Amade Abubacar, o jornalista Germano Adriano, também da Rádio e Televisão Comunitária de Macomia, foi detido no dia 18 Fevereiro, acusado também de violação do segredo de Estado e instigação pública a um crime.

"Amade está a definhar na prisão simplesmente por fazer o seu trabalho de jornalista, expondo o sofrimento infligido a civis por ataques mortíferos em Cabo Delgado", refere o comunicado da Amnistia Internacional, citando Deprose Muchena, director regional da Amnistia Internacional para a África Austral.

A detenção de Amade Abubaca "é muito estranha desde o início", aponta director da publicação Carta de Moçambique, Marcelo Mosse.

O jornalista está doente há várias semanas e pede para ser consultado por um médico, mas "isso não está a acontecer. As autoridades não estão a permitir que vá ao médico".

Marcelo Mosse lembra que a detenção de Amade Abubacar acontece por este ser "o principal jornalista que expunha sem reservas e sem receios toda a chacina que acontece em Cabo Delgado", lembra Marcelo Mosse.

"Ele é que expunha e, com base nas suas redes locais, tinha informação privilegiada sobre os ataques da insurgência. Expunha isso para o mundo e fez com que fosse detido. Hoje temos cada vez menos relatos sobre o que se passa em Cabo Delgado", descreve Marcelo Mosse.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.