Acesso ao principal conteúdo
Moçambique

Ciclones: ajuda médica e alimentar escasseia em Moçambique

Rosa Tomás e o seu filho Dionísio Eduardo, junto ao que resta da sua casa após ciclone.
Rosa Tomás e o seu filho Dionísio Eduardo, junto ao que resta da sua casa após ciclone. Yasuyoshi CHIBA / AFP

A chuva continua a cair intensamente em alguns distritos da província de Cabo Delgado, no norte de Moçambique, dificultando a assistência às vítimas do ciclone Kenneth. Quem o diz é Djamila Cabral, representante da OMS em Moçambique.

Publicidade

Segundo Djamila Cabral, está a ser difícil fazer chegar a ajuda alimentar e os serviços de saúde às pessoas afectadas pelo ciclone.

Ainda assim Djamila Cabral garante que a organização está a mobilizar apoios para lidar com o surgimento de doenças como a cólera.

Enquanto isso, o ministro dos negócios estrangeiros e cooperação de Moçambique José Pacheco anunciou a realização, no dia 30 deste mês, na cidade da Beira, da conferência sobre reconstrução.

As regiões centro e norte de Moçambique foram afectadas, em menos de dois meses, pelos ciclones tropical IDAI, em Março, e Kenneth, em Abril, causando enormes estragos em infraestruturas públicas e privadas, e várias centenas de mortos.

Oiça aqui a correspondência de Orfeu Lisboa.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Faça o download da aplicação

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.