Acesso ao principal conteúdo
Moçambique

Liderança da Renamo novamente contestada

Ossufo Momade, líder da Renamo, refere estar a ser ameaçado de morte pela autoproclamada Junta Militar.
Ossufo Momade, líder da Renamo, refere estar a ser ameaçado de morte pela autoproclamada Junta Militar. AFP

A autoproclamada Junta Militar no seio da Renamo, maior partido da oposição, anunciou a destituição de Ossufo Momade da liderança do movimento da perdiz. A antiga guerrilha já reagiu denunciando uma encenação e apelou à intervenção do governo.

Publicidade

Comandado pelo general Mariano Nhongo, o grupo de guerrilheiros estacionados na Serra da Gorongosa, na província de Sofala no centro de Moçambique anunciou que já não reconhece Ossufo Momade como Presidente da Renamo e que dentro de dez dias será eleito um novo presidente para a principal força política da oposição. “As armas reconhecidas no acordo de Paz de Roma são para guarnecer o presidente da Renamo e Ossufo Momade já não é” o presidente do partido, declarou o líder do grupo que, por outro lado, também ameaçou conduzir acções militares no caso de o governo continuar a negociar com Ossufo Momade.

Este grupo que vem colocando em questão desde Junho a liderança de Ossufo Momade, eleito em Janeiro presidente da Renamo, sob a acusação de "estar a destruir o partido", estabeleceu um ultimato que terminou a 15 de Julho para que o líder da Renamo abandonasse voluntariamente o cargo.

Em conferência de imprensa em Maputo, a Renamo distanciou-se das declarações e das acções da autoproclamada Junta Militar. O porta-voz do partido José Manteigas considerou que as declarações deste grupo não passam de uma encenação e apelou o governo moçambicano à agir contra quem qualificou de "desertores" do partido. "Compete ao Estado manter a segurança e ordem pública" declarou este responsável da Renamo, garantindo ainda que Ossufo Momade será o candidato presidencial deste partido nas eleições gerais do próximo 15 de Outubro, altura em que segundo o executivo deverá ter sido assinado um acordo de paz definitiva.

Mais pormenores com Orfeu Lisboa.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.