Acesso ao principal conteúdo
Moçambique / África do Sul

Reacção em Moçambique contra xenofobia na África do Sul

Tumultos ocorreram esta manhã na Estrada Nacional 4 que liga Maputo e Matola à África do Sul.
Tumultos ocorreram esta manhã na Estrada Nacional 4 que liga Maputo e Matola à África do Sul. DR

Camiões oriundos da África do sul foram alvo de tentativas de bloqueio na estrada nacional número 4 que liga Maputo à África do Sul através da fronteira de Ressano Garcia, em retaliação aos ataques xenófobos que se têm registado nos últimos 4 dias na vizinha África do Sul com o registo de cinco mortos, perto de trezentas detenções, lojas e veículos suspeitos de pertencerem a estrangeiros queimados e o relato de um camião moçambicano incendiado.

Publicidade

Esta manhã, quem circulava na estrada nacional número 4, presenciou tumultos em retaliação aos ataques xenófobos que desde Domingo têm abalado Joanesburgo e outras localidades da África do Sul. Nas primeiras horas do dia, indivíduos colocaram barricadas e queimaram pneus no meio da EN 4 designadamente na zona da Matola, nas imediações da capital, e condicionaram a circulação ao tentar bloquear a chegada de camiões com matrículas sul-africanas. Depois da intervenção da polícia, foi posto fim ao bloqueio sem registo de detenções.

Reagindo a esta ocorrência, a Confederação das Associações Económicas de Moçambique CTA apelou à calma e condenou estes actos de violência. Castigo Nhamane, vice-presidente da CTA, não deixou contudo de referir que os ataques contra cidadãos estrangeiros na África do Sul forçaram 300 camiões de transportadoras moçambicanas a suspender as suas actividades desde 29 de Agosto, com prejuízos estimados numa média de 1 milhão de Dólares por dia para os transportes de mercadorias e 3 milhões para os transportes de passageiros. Mais pormenores com Orfeu Lisboa.

Refira-se entretanto que na vizinha África do Sul, as autoridades dão conta de um regresso a uma calma precária sob alta vigilância policial. Depois de já ter condenado ontem as violências, o Presidente Cyril Ramaphosa voltou hoje a apelar à calma, declarando que "todos são bem-vindos na África do Sul". Primeira potência industrial do continente, a África do Sul tem vivenciado episódios recorrentes de violência xenófoba, num contexto de altas taxas de desemprego e pobreza. Em 2015, sete pessoas foram mortas, entre as quais 3 moçambicanos, durante as pilhagens de comércios pertencentes a estrangeiros em Joanesburgo e Durban. De acordo com um relatório da Human Rights Watch publicado no fim do mês passado, desde Março de 2018, dezenas de camionistas morreram em ataques visando estrangeiros na África do Sul.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.